Angkor Wat

Angkor Wat



We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Angkor Wat é um enorme complexo de templos do século 12 no Camboja e o mais bem preservado de seu tipo.

Incrivelmente grandiosos e ricamente decorados, os edifícios cor de areia de Angkor Wat se erguem para formar cinco torres, representando o lar das divindades hindus. Frisos e esculturas são encontrados por toda parte, retratando a vida cotidiana, desde a época em que foi construída, e eventos religiosos.

Embora se acredite que o complexo em Angkor tenha sido fundado por volta de 980 DC por Yasovarman I, rei da Dinastia Khmer, pensa-se que o próprio Angkor Wat remonta ao século XII.

Foi o rei Khmer Suryavarman II quem construiu Angkor Wat entre 1113 e 1150. Ele o dedicou à divindade hindu Vishnu e há imagens de Suryavarman como Vishnu em Angkor Wat na forma de esculturas. Também se pensa que Angkor Wat foi o local da tumba de Suryavarman.

Invadida por invasores tailandeses em 1431, Angkor e seu templo permaneceram por descobrir até o século XIX.

Hoje, Angkor Wat é um dos locais turísticos mais populares do Camboja. Há uma quantidade incrível para ver e é uma boa ideia (embora relativamente cara) conseguir um guia turístico licenciado.

Angkor Wat é Patrimônio Mundial da UNESCO desde 1992.


Império Khmer

o Império Khmer (Khmer: ចក្រភព ខ្មែរ), ou o Império Angkoriano (Khmer: ចក្រភព អង្គរ), são os termos que os historiadores usam para se referir ao Camboja do século 9 ao século 15, quando a nação era um império hindu / budista no sudeste da Ásia. O império se referia a si mesmo como Kambuja (Sânscrito: कम्बोज Khmer antigo: ក ម្វុ ជ Khmer: កម្ពុជ) ou Kambujadeśa (Sânscrito: कम्बुजदेश Antigo Khmer: ក ម្វុ ជ ទេ ឝ Khmer: កម្ពុជទេស) que eram termos antigos para o Camboja. O império cresceu a partir das antigas civilizações de Funan e Chenla, às vezes governou e / ou vassalou a maior parte do sudeste da Ásia continental [3] e partes do sul da China, estendendo-se da ponta da Península Indochinesa ao norte até a moderna província de Yunnan, China e do Vietnã para o oeste até Mianmar. [4] [5]

Talvez seu legado mais notável seja o local de Angkor, no atual Camboja, a capital Khmer durante o apogeu do império. Os majestosos monumentos de Angkor, como Angkor Wat e Bayon, testemunham o imenso poder e riqueza do Império Khmer, arte e cultura impressionantes, técnica arquitetônica, conquistas estéticas e a variedade de sistemas de crenças que patrocinou ao longo do tempo. Imagens de satélite revelaram que Angkor, durante seu auge nos séculos 11 a 13, foi o maior centro urbano pré-industrial do mundo. [6]

O início da era do Império Khmer é convencionalmente datado de 802, quando o Rei Jayavarman II se declarou Chakravartin ("governante universal", título equivalente a "imperador") em Phnom Kulen. O império terminou com a queda de Angkor no século 15.


História

Quando a capital do Império Khmer mudou de Angkor para Phnom Penh, o local foi praticamente ignorado. Nos quinhentos anos desde que o Império Khmer abandonou o estabelecimento, monges budistas cuidaram do local, conhecido do povo Khmer e visitado desde o século XVI (Venerável, 2005). O primeiro ocidental a descrever Angkor Wat foi Antionio da Madalena, um monge português, em 1586 (Hingham, 2001). Ele escreveu que o site era “impossível de descrever com caneta”. No entanto, Henri Mouhot é creditado com o modern descoberta de Angkor Wat (Venerável, 2005). Mouhot nasceu trezentos anos após a primeira observação de da Madalena e foi um naturalista e explorador francês em meados do século XIX. O que distinguia Mouhot dos numerosos outros que encontraram Angkor Wat foram os esboços detalhados do monumento e suas exaustivas descrições escritas. Ele freqüentemente justapôs Angkor Wat com o das Pirâmides ou Michelangelo em seu esforço para explicar sua beleza e o imenso trabalho que foi feito para construir uma cidade inteira dessa monstruosidade. Embora Mouhot não seja, de fato, o verdadeiro descobridor do site, ele é o responsável por popularizá-lo no Ocidente (& # 8220Lost City of Angkor Wat & # 8221, Nat Geo).

A escavação e restauração do século XX tiveram um grande trabalho de remoção da vegetação e da terra acumulada. Isso foi auxiliado pelo fosso que na verdade protegia muito da invasão da selva nos anos que se passaram (& # 8220Lost City of Angkor Wat & # 8221, Nat Geo). As escavações mostraram sinais de uma aldeia circundante que foi feita com madeira sem conservantes. Os pequenos edifícios foram destruídos com anos de sucessão secundária. Tudo o que restou foram contornos tênues de ruas. A pesquisa sugeriu que o grupo étnico do Vietnã, chamado Chams, atacou e incendiou a cidade (& # 8220Lost City of Angkor Wat & # 8221, Nat Geo). Quando ele foi reconstruído, foi quando o muro de fechamento externo foi construído ao redor dele para proteger a cidade e as pessoas em tempos de guerra. O povo Khmer trabalhou na terra por quinhentos anos, sob a supervisão de vinte e dois reis, até que ela falhou. As colheitas de arroz dos arrozais começaram a cair e a construção de pedra do templo estava paralisada. Durante o século XV, o governo do Sião fez ataques lucrativos ao monumento, o que levou a uma batalha épica por volta de 1431 que acabou levando ao fim do império Khmer em Angkor Wat (& # 8220Lost City of Angkor Wat & # 8221, Nat Geo).


Angkor Wat

Angkor Wat em Siem Reap, Camboja, é o maior monumento religioso do mundo. Angkor Wat, traduzido do Khmer (o idioma oficial do Camboja), significa literalmente "Templo da Cidade". No que diz respeito aos nomes, isso é o mais genérico possível. Angkor Wat não era o nome original dado ao templo quando foi construído no século XII. Temos pouco conhecimento de como este templo foi referido durante o tempo de seu uso, pois não existem textos ou inscrições existentes que mencionem o templo pelo nome - isso é bastante incrível se considerarmos o fato de que Angkor Wat é a maior construção religiosa projeto no sudeste da Ásia.

Uma possível razão pela qual o nome original do templo pode nunca ter sido documentado é que era um monumento tão importante e famoso que não havia necessidade de se referir a ele por seu nome. Temos várias referências ao rei que construiu o templo, o Rei Suryavarman II (1113–1145 / 50 DC), e eventos que ocorreram no templo, mas nenhuma menção de seu nome.

Contexto histórico

Angkor Wat é dedicado ao deus hindu Vishnu, um dos três deuses principais do panteão hindu (Shiva e Brahma são os outros). Entre eles, ele é conhecido como o “Protetor”. O principal patrono de Angkor Wat foi o rei Suryavarman II, cujo nome se traduz como o "protetor do sol". Muitos estudiosos acreditam que Angkor Wat não era apenas um templo dedicado a Vishnu, mas também tinha a intenção de servir como mausoléu do rei na morte.

Angkor Wat. Siem Reap, Camboja, 1116–1150 (foto: Benjamin Jakabek, CC BY-NC-ND 2.0)

A construção de Angkor Wat provavelmente começou no ano 1116 d.C. — três anos depois que o Rei Suryavarman II subiu ao trono — com a construção terminando em 1150, logo após a morte do rei. A evidência dessas datas vem em parte das inscrições, que são vagas, mas também do projeto arquitetônico e do estilo artístico do templo e suas esculturas associadas.

A construção de templos pelos reis Khmer foi um meio de legitimar sua reivindicação a cargos políticos e também reivindicar a proteção e os poderes dos deuses. Os templos hindus não são um lugar para congregações religiosas, em vez disso, são as casas do deus. Para que um rei reivindicasse seu cargo político, ele precisava provar que os deuses não apoiavam seus predecessores ou inimigos. Para este fim, o rei teve que construir o maior templo / palácio para os deuses, um que provou ser mais luxuoso do que quaisquer templos anteriores. Ao fazer isso, o rei poderia tornar visível sua capacidade de aproveitar a energia e os recursos para construir o templo e afirmar que seu templo era o único lugar em que um deus consideraria residir na terra.

A construção de Angkor Wat provavelmente exigiu cerca de 300.000 trabalhadores, incluindo arquitetos, operários, pedreiros, escultores e os empregados para alimentar esses trabalhadores. A construção do local demorou mais de 30 anos e nunca foi totalmente concluída. O local foi construído inteiramente de pedra, o que é incrível, visto que um exame atento do templo demonstra que quase todas as superfícies são tratadas e esculpidas com detalhes narrativos ou decorativos.

Baixo-relevo esculpido de narrativas hindus

Existem 1.200 metros quadrados de baixos-relevos esculpidos em Angkor Wat, representando oito histórias hindus diferentes. Talvez a narrativa mais importante representada em Angkor Wat seja a Batedura do Oceano de Leite (abaixo), que descreve uma história sobre o início dos tempos e a criação do universo. É também uma história sobre a vitória do bem sobre o mal. Na história, devas (deuses) estão lutando contra Asuras (demônios) para reivindicar ordem e poder para os deuses que os perderam. A fim de recuperar a paz e a ordem, o elixir da vida (Amrita) precisa ser liberado da terra, entretanto, a única maneira de o elixir ser liberado é os deuses e demônios trabalharem primeiro juntos. Para este fim, ambos os lados estão cientes de que, uma vez que o amrita seja liberado, haverá uma batalha para alcançá-lo.

Agitação do Oceano de Leite (detalhe), Angkor Wat, Siem Reap, Camboja, 1116–1150 (foto: John Brennan, CC BY-ND 2.0)

O relevo retrata o momento em que os dois lados agitam o oceano de leite. No detalhe acima você pode ver que os deuses e demônios estão jogando uma espécie de cabo de guerra com os Naga ou rei serpente como sua corda divina. O Naga está sendo girado no Monte Mandara representado por Vishnu (no centro). Várias coisas acontecem enquanto ocorre a batedura do leite. Um evento é que a espuma da agitação produz apsaras ou donzelas celestiais esculpidas em relevo por todo Angkor Wat (as vemos aqui em ambos os lados de Vishnu, acima dos deuses e demônios). Uma vez que o elixir é liberado, Indra (o deus védico que é considerado o rei de todos os deuses) é visto descendo do céu para pegá-lo e salvar o mundo da destruição dos demônios.

Angkor Wat como templo da montanha

Vista aérea, Angkor Wat, Siem Reap, Camboja, 1116–1150 (foto: Peter Garnhum, CC BY-NC 2.0)

Uma vista aérea de Angkor Wat demonstra que o templo é composto por uma parede extensa, que separa o terreno sagrado do templo do fosso de proteção que cerca todo o complexo (o fosso é visível na fotografia no topo da página). O templo propriamente dito é composto por três galerias (uma passagem que percorre toda a extensão do templo) com um santuário central, marcado por cinco torres de pedra.

Galeria, Angkor Wat, Siem Reap, Camboja, 1116–1150 (foto: fmpgoh, CC BY-NC-ND 2.0)

As cinco torres de pedra têm o objetivo de imitar as cinco cadeias de montanhas do Monte Meru - o lar mítico dos deuses, tanto para hindus quanto para budistas. A montanha do templo como projeto arquitetônico foi inventada no sudeste da Ásia. Os arquitetos do sudeste asiático imaginaram literalmente templos dedicados aos deuses hindus na Terra como uma representação do Monte Meru. As galerias e os espaços vazios que elas criaram entre si e o fosso são concebidos como cadeias de montanhas e oceanos que circundam o Monte Meru. O Monte Meru não é apenas o lar dos deuses, também é considerado um axis-mundi. Um axis-mundi é um eixo cósmico ou mundial que conecta o céu e a terra. Ao projetar Angkor Wat dessa forma, o rei Suryavarman II e seus arquitetos pretendiam que o templo servisse como a morada suprema de Vishnu. Da mesma forma, o simbolismo de Angkor Wat servindo como um axis mundi tinha a intenção de demonstrar o reino de Angkor e o lugar central do rei no universo. Além de imaginar Angkor Wat como o Monte Meru na Terra, os arquitetos do templo, dos quais nada sabemos, também o projetaram engenhosamente para que embutido na construção do templo esteja um mapa do cosmos (mandala), bem como um registro histórico do patrono do templo.

Angkor Wat como uma mandala

De acordo com os antigos textos sânscritos e khmer, os monumentos religiosos e especificamente os templos devem ser organizados de forma que estejam em harmonia com o universo, ou seja, o templo deve ser planejado de acordo com o sol nascente e a lua, além de simbolizar o recorrente sequências de tempo dos dias, meses e anos. O eixo central desses templos também deve estar alinhado com os planetas, conectando assim a estrutura ao cosmos para que os templos se tornem centros espirituais, políticos, cosmológicos, astronômicos e geofísicos. Em outras palavras, destinam-se a representar microcosmos do universo e são organizados como mandalas - diagramas do universo.

Angkor Wat hoje

Angkor Wat continua a desempenhar um papel importante no Camboja, embora a maioria da população seja agora budista. Desde o século XV, os budistas usam o templo e os visitantes de hoje verão, entre os milhares de visitantes, monges e freiras budistas que adoram no local. Angkor Wat também se tornou um símbolo importante para a nação cambojana. Hoje, a bandeira do Camboja ostenta a silhueta de Angkor Wat.

No magnífico templo de Angkor Wat, o World Monuments Fund está restaurando o Batedura do Mar de Leite Galeria. Água da chuva e sais nocivos vazaram pelo telhado da galeria, que forma a metade sul da proeminente fachada leste de Angkor Wat, danificando a frágil superfície do friso. Sem tratamento, a deterioração aumentará em um ritmo alarmante, arriscando a eventual perda do que a maioria dos historiadores considera as esculturas de pedra mais ambiciosas e finamente produzidas na arte Khmer.

Recursos adicionais:

Coedes, George. Angkor: uma introdução. Hong Kong: Oxford University Press, 1963.

Freeman, Micheal e Claude Jacques. Angkor Antigo. Bangkok, Tailândia: Riverbooks, 2003.

Jessup, Helen Ibbitson. Arte e Arquitetura do Cambodiuma. Nova York: Thames & amp Hudson World

Rooney, Dawn. Angkor, Quarta edição. Hong Kong: Airphoto International Ltd., 2002.

Zhou Daguan. Um registro do Camboja, a terra e seu povo. Traduzido por Peter Harris.


História de Angkor Wat - redescoberta de Angkor Wat e sua arquitetura

A história de Angkor Wat descreve que foi redescoberto pelo explorador francês Henri Mouhot na década de 1840, que sabia que o local era uma maravilha arquitetônica e também o descreveu como "mais grandioso do que qualquer coisa que nos restou pela Grécia ou Roma". O design do templo atribuiu o elogio como destinava-se a representar o lar dos deuses, o Monte Meru, mencionado pelos princípios das religiões hindu e budista. As cinco torres de Angkor Wat representam os cinco picos proeminentes do magnífico Monte Meru. As paredes circundantes e o fosso representam as cadeias de montanhas gigantescas e o mar que jorra.

O estilo arquitetônico do Khmer reflete o uso requintado do arenito. Ao explorar o templo de Angkor Wat, torna-se evidente que arenito foi usado para esculpir este templo majestoso. Uma parede robusta de 4,5 metros de altura, bem como um fosso, estão lá. Juntos, eles garantiram que o templo permanecesse a salvo de qualquer forma de invasão.


Angkor Wat - História

Os templos antigos sempre me fascinaram ... como eles os construíram? Como foi possível para a Grande Muralha da China ser tão grande que pode ser vista do espaço? Como Machu Picchu se empoleirou no céu? Chichen Itza, Stonehenge, a Grande Pirâmide de Gizé ... todos construídos com tanta precisão, planejamento e detalhes, em um Tempo vazio de tecnologia e ainda assim eles resistiram ... pelo menos em uma forma perceptível, por milênios. … Lugares imensamente poderosos todos, construídos tanto com Pedra, como com importância histórica, proporcionando a milhões um Lugar para vislumbrar algo Maior, ao longo das Gerações.

Não foi nenhuma surpresa com esse crescente sentimento de admiração ao longo de minha vida, que um dia eu me encontrei em outro lugar misterioso e mágico, Angkor Wat, no Camboja. .. Rica em esplendor arquitetônico e fascinante história Khmer, é na verdade a maior estrutura religiosa do mundo e a 8ª maravilha do mundo ...

Templo Ta Prohm, Angkpr Wat

Partindo de Kuala Lumpur, reservei um voo para o Aeroporto Internacional de Siem Reap, e uma vez no solo, menos de 20 minutos depois, estava no centro de Siem Reap, uma cidade de passagem para turistas, livre para explorar o histórico Patrimônio Mundial da UNESCO do antigo Império Khmer ou simplesmente aprecie a beleza natural do maior lago de água doce do sudeste da Ásia, 'Tonlé Sap', também conhecido como o “Grande Lago” do Camboja.

Até meia década atrás, Siem Reap era apenas uma cidade provinciana do Camboja, então fluxos de turistas começaram a entrar na cidade, principalmente em busca dos magníficos templos de Angkor.

The Pub Street, Siem Reap
O boom econômico que o acompanhou para o campo e a cidade em particular a partir desse boom transformou a paisagem e a sociedade dentro dela ... Hoje em dia é um lugar que ostenta hotéis boutique caros e cadeias de hotéis, que surgiram por toda parte, junto com hotéis econômicos, para abrigar um hotel tão vasto e lucrativa indústria turística.

Onde há turistas, geralmente há vida noturna ... e a área da Pub Street é para eles, famosa por sua atmosfera vibrante. Aqui você pode encontrar uma abundância de Backpacker Party Pads ou hotéis da moda em cada rua lateral e praça ... Siem Reap pode reivindicar uma experiência gastronômica de classe mundial também, com uma grande variedade de cozinhas, spas suntuosos, mercados de compras locais, todos abertos 24 horas / 7, junto com Eco-Tours para atender todos os tipos de aventureiros.

Então, depois do cardápio real ... o que está no cardápio, em termos de atividades? Bem, você pode conferir o principal circo do Camboja ou fazer uma visita ao Museu Nacional de Angkor Wat, para uma visão ainda mais profunda da história de Angkor, antes de começar seu Explorações de templos.

Já que você está na área, tente não perder "Wat Preah Prohm Roth", um templo budista tradicional no centro de Siem Reap, próximo à área da Pub Street.

Então, para Angkor Wat ... não muito longe do centro da cidade, onde em um raio de 7 km você descobrirá um dos complexos de templos antigos mais icônicos do Camboja: a expressão máxima do gênio arquitetônico Khmer - um complexo de grande escala inspirador , mas ainda com detalhes impressionantes e intrincados em todos os lugares.

O Parque Arqueológico de Angkor também é uma maravilha: estendendo-se por uma área de mais de 400 km² ... Ele foi popularizado no Ocidente pelo naturalista francês Henri Mouhot em 1860, escrevendo 'Viagens no Sião, Camboja e Laos', completo com esboços detalhados, comparando Angkor para as pirâmides, ele disse:

Na Ongcor existem ... ruínas de tamanha grandeza ... que, à primeira vista, nos enchemos de profunda admiração, e não podemos deixar de perguntar o que aconteceu a esta raça poderosa, tão civilizada, tão iluminada, os autores dessas obras gigantes?

Mas a verdadeira história de Angkor Wat foi reunida muito antes de Mouhot, ou a exploração francesa ... Recentes descobertas concluíram que os templos datam do início do século 9 ao início do século 15 e representam o maior complexo coletivo de monumentos religiosos em Terra. Originalmente construída como uma residência sagrada dedicada ao deus hindu Vishnu, Angkor Wat representava o Templo do Rei, a capital da cidade do Império Khmer, eventualmente se tornando um mausoléu para o próprio rei. Somente no final do século 12, gradualmente, ele se transformou em um santuário budista.

O berço do Império Khmer, que durou mais de 600 anos, abrangeria agora o Camboja e o Laos modernos, bem como extensas partes do Vietnã e da Tailândia, e era cuidado por monges budistas, entre os dias 15 e 19 século. É unicamente graças a eles que o complexo em que está tão bem preservado, até hoje.

3 principais templos imperdíveis em Angkor Wat

Construído pelo Rei Khmer Suryavarman II no início do século 12, o templo de Angkor Wat foi projetado para representar o Monte Meru, lar dos 'Devas' (Divindades) na mitologia Hindu, com uma importância semelhante aos Khmers, como o Monte Olimpo era para os Gregos … Mais uma vez, por sua vez, é arquitetonicamente ambicioso e ressoa com a devoção espiritual hindu, ajudado por sua forma única de montanha do Templo.

Não houve outras habitações, casas ou outros assentamentos ... incluindo utensílios de cozinha, armas ou roupas encontradas no local ... que se encontra com a evidência dos próprios monumentos, possivelmente usados ​​pelos Sumos Sacerdotes e pelo Rei, sozinho. Os notáveis ​​baixos-relevos que cercam os rituais fúnebres bramânicos, indicando que o templo foi, de fato, destinado a servir como parte dos arranjos funerários do rei, desde o início ... bem como as pirâmides ...

O Templo atraiu elogios por suas proporções simétricas clássicas e elementos esculpidos intrincadamente, com suas 'Torres em forma de botões de Lótus, levando a galerias axiais e passagens de câmaras largas, gravadas com baixos-relevos de cenas narrativas - figuras dançantes, animais saltitantes e devatas (divindades), representando episódios da mitologia hindu - Ramayana e o Mahabharata. Praticamente todas as superfícies, colunas e tetos foram esculpidos em quilômetros de relevos que ilustram cenas da literatura indiana.

Todo o Complexo tem uma parede externa, delimitando uma área de cerca de 800 m2, junto com a Estrutura Central voltada para oeste. Acredita-se que o segundo nível do recinto tenha sido originalmente inundado com água para representar o oceano ao redor do Monte Meru. Três conjuntos de degraus, um de cada lado, conduzem às Gopuras (torres do Templo) da galeria interna, enquanto as escadas muito íngremes e sua altura representam a dificuldade de ascensão ao Reino dos Deuses.

Os quatro pequenos pátios podem ter sido originalmente cheios de água. Os arquitetos Khmer usaram arenito como seu principal material de construção, com um agente de ligação que ainda é desconhecido. mas eles apontam para resinas naturais ou cal apagada. Alguns dos blocos eram mantidos juntos por encaixes de encaixe e espiga, e apenas por gravidade em alguns casos, e devem ter sido colocados no lugar por uma combinação de elefantes, cordas, roldanas e andaimes de bambu ... já que isso era praticamente tudo o que tinham para funcionar com aquela época ..… De acordo com a lenda local, porém… acreditava-se que o Templo foi construído em uma única noite, pelas mãos de um arquiteto Divino.

Cálculos revelaram que o Monumento foi provavelmente feito de cerca de 5 a 10 milhões de blocos de arenito, com peso máximo de 1,5 toneladas cada ... uma quantidade incrível de material, no meio da selva ... Na verdade, toda a cidade de Angkor usa muito mais pedras do que todas as pirâmides egípcias juntas, enquanto ocupa uma área significativamente maior do que a Paris moderna! ... Além disso, ao contrário das pirâmides, que usavam blocos de calcário extraídos de relativamente perto, a cidade de Angkor foi construída com blocos de arenito ... o que significa que eles devem ter sido trazidos de 40-90km de distância! Isso significaria uma força de trabalho necessária para extrair, transportar, esculpir e colocar no lugar todos os blocos e elementos decorativos, que devem ser numerados na casa dos milhares ...

Hoje, tornou-se um importante Patrimônio Mundial da UNESCO e atrai mais de 2,5 milhões de pessoas todos os anos e aproximadamente. 60% dos turistas estrangeiros que entram no Camboja.

Cobrindo centenas de quilômetros quadrados, este site certamente manterá muitos visitantes ocupados por dias.

Templo Bayon

Enquanto sucessivos reis Khmer se esforçavam para ofuscar seus ancestrais por meio de construções cada vez mais colossais, com representações criativas mais grandiosas de eventos mitológicos ou da história Khmer, durante o governo do Rei Jayavarman VII, no final do século 12, o Templo Bayon foi construído.

Apsaras, ninfas divinas ou dançarinas celestiais, são personagens da mitologia indiana.

Cercado por mais de 200 rostos sorridentes gigantescos de 'Avalokiteshvara', também conhecido como o "Senhor que olha para baixo" - o Senhor que criou o Sol e a Lua, Shiva, Brahma, a Terra e o Céu, significando que Bayon foi o primeiro santuário de Angkor dedicado a Buda, incorporando uma sinergia de elementos da cosmologia hindu e budista.

Alguns disseram que talvez o rei Jayavarman VII se considerasse como Devaraja ou "rei-deus" e se identificasse com Buda e o Bodhisattva, por retratar os rostos como representações de si mesmo.

‘Ta Prohm’ é um templo budista majestoso no coração de Angkor Thom. Construído em 1186, era originalmente conhecido como ‘Rajavihara’ ou ‘Mosteiro do Rei’ e a personificação da sabedoria, inspirada na mãe do rei.

O santuário abrigava mais de 12.000 pessoas, sustentadas por uma população de 80.000 pessoas que trabalhavam nas aldeias vizinhas para fornecer alimentos e suprimentos, todos retratados nas inscrições dos Templos.

Mas o que é realmente fascinante sobre Ta Prohm é sua fascinante mistura entre Caos e Estrutura, o que é orgânico e feito pelo homem, o que é madeira e pedra. … Este Templo, rodeado por centenas de anos, com troncos de árvores que brotam das Ruínas sem fim…. está se preparando para Indiana Jones ou Alan Quartermain.… Silk-algod e Strangler Fig trees cravam suas raízes nas pedras do próprio Templo, que foi incrivelmente construído inteiramente, sem argamassa.

Na verdade, todo o Santuário foi recuperado e reabilitado da própria selva, pois a ordem da Natureza teve que ser reivindicada e restabelecida ao longo dos séculos. Este estado do Templo é propositalmente e delicadamente mantido e, ao fazê-lo, revela uma fusão surpreendente de Natureza e Arquitetura.

A natureza não apenas reformulou Ta Prohm, mas também emprestou uma profundidade de misticismo e charme assombroso, entrelaçados em seus baixos-relevos, esculpidos com musgo, líquen e outras plantas, lançando uma mortalha esverdeada sobre toda a cena.

Para mim: todo o Parque Arqueológico de Angkor é o epítome da força e da beleza criativa, com um elemento que mais se destaca e que você simplesmente não pode perder - o cenário encantador de Ta Prohm: você quase pode sentir o próprio Roots of Adventure, enterrando-se no Aterre aqui. Templo Ta Prohm, Angkpr Wat

Como chegar lá

Além das encantadoras Ruínas Antigas amplamente difundidas, fiquei surpreso com a facilidade e segurança de se locomover e explorar áreas, que não faz muito tempo, eram, literalmente, território desconhecido da selva. Na verdade, há uma infinidade de opções que você pode usar para viajar, mas a maneira mais conveniente de descobrir o campo é de motor, cavalo, bicicleta ou tuk-tuk. Cada um custará entre US $ 10 e US $ 15 por um dia inteiro, e são perfeitos se você estiver planejando passeios fotográficos e na natureza.

Tendo isso em mente: Posso dizer que Siem Reap é muito seguro, amigável e acolhedor para todos os tipos de viajantes, com uma escolha aparentemente infinita de entretenimento, refeições e acomodação. É uma personificação de contrastes, que me lembra algumas das áreas mais populares da Tailândia (Krabi , Koh Samui, Chiang Mai). Em outros lugares, assemelha-se à vida tranquila e serena, digamos, das Filipinas, com pequenas comunidades se sustentando por meio da agricultura e da pesca.

Qual foi o meu pensamento mais memorável da minha viagem a Siem Reap e Angkor Wat? ..o nível de complexidade na Arquitetura, de sofisticação na Arte e precisão, da Casa ao Artesanato. Obra majestosa que viveu em diferentes eras, séculos de guerras e batalhas, não só com a humanidade, mas com a própria natureza ... Quem sabe, em última instância como foram construídas ... mas uma coisa é certa: foram, são e sempre serão sejam Obras-primas que serão as pedras angulares da cultura, para as gerações seguirem e respeitarem.


Angkor Wat (c.1115-1145) Arquitetura e escultura do Templo Khmer


Esculturas em relevo de Angkor Wat de
devatas (deuses ou espíritos hindus).

Junto com o Templo Kandariya Mahadeva em Khajuraho, Índia Central, e o Taj Mahal no norte da Índia, o complexo de templos Khmer cambojanos de Angkor Wat está entre os maiores exemplos de arquitetura religiosa em toda a Ásia, comparável aos melhores espécimes da arquitetura gótica ou arquitetura barroca na Europa. Situado a cerca de 6 km ao norte da cidade moderna de Siem Reap, no noroeste do Camboja (Kampuchea), o templo foi construído por volta de 1115-1145 em Angkor, a capital do Império Khmer, pelo rei Suryavarman II (governou 1113-1150 ), para servir de mausoléu. Angkor Wat operou primeiro como um santuário hindu dedicado a Vishnu, então um templo budista Theravada no final do século 13. Hoje, Angkor Wat é o local de arte sacra mais famoso do Camboja e sua silhueta aparece na bandeira nacional do Camboja. O templo é conhecido por seu alto estilo clássico de arquitetura Khmer, bem como pela quantidade impressionante de esculturas em relevo e entalhes arquitetônicos. Artefatos retirados do local e grandes seções moldadas dos edifícios do templo foram exibidos em Paris em 1867, anunciando uma grande e desconhecida civilização que rivalizava em sofisticação com o trabalho dos maiores arquitetos do Ocidente. Em 1992, junto com um templo irmão Angkor Thom, Angkor Wat foi proclamado Patrimônio Mundial da ONU.

A cidade de Angkor (nome antigo: Yasodharapura) foi a capital real a partir da qual os reis Khmer governaram um dos maiores e mais sofisticados reinos da história do Sudeste Asiático. De 890, quando o rei Yasovarman I mudou sua capital para Angkor, até cerca de 1210, os reis de Angkor controlaram uma área que se estendia da ponta sul da península da Indochina ao norte até Yunnan e do Vietnã a oeste até a Baía de Bengala. Durante esta era, esses reis implementaram uma série de projetos de construção massivos projetados para glorificar a si mesmos e sua capital dinástica. Após a morte do Rei Jayavarman VII (1181-1215), o Império de Angkor entrou em declínio, embora em 1280 Angkor ainda fosse uma metrópole próspera e uma das cidades mais magníficas da Ásia. No entanto, o grande boom da construção acabou, Angkor Wat foi transformado em um santuário budista e os exércitos tailandeses estavam assistindo. Em 1431 saquearam a cidade então abandonada.

Do início do século 15 ao final do século 19, o interesse em Angkor foi limitado quase inteiramente ao complexo do templo de Angkor Wat que, tendo sido mantido por monges budistas, se tornou um dos locais de peregrinação mais importantes no sudeste da Ásia. Com o tempo, o complexo caiu em ruínas e tudo o que restou foram as ruínas dos antigos templos cobertos pela selva e os restos da outrora magnífica série de canais, embora nunca tenha sido completamente abandonado e seu fosso ajudou a preservá-lo contra o engolfamento total. Depois que os franceses tomaram o Camboja em 1863, eles instigaram um programa completo de reconstrução, sob o qual os edifícios, reservatórios e canais de Angkor Wat foram restaurados a algo próximo de sua grandeza original. As convulsões políticas e militares que ocorreram no Camboja durante o período 1935-1990 puseram fim a este programa, mas por outro lado não causaram grandes dores de cabeça. O único problema sério do local continuava sendo a invasão da selva.

Arquitetura e Construção

O templo de Angkor Wat é feito de 6 a 10 milhões de blocos de arenito, cada um com peso médio de 1,5 toneladas. The city of Angkor required more stone than all the Egyptian pyramids combined, and originally occupied an area considerably greater than modern-day Paris. Given the additional complexity of the overall building scheme, it is clear that Angkor was designed and managed by some of the finest architects in southeast Asia.

The temple was designed and built on the basis of religious and political ideas imported from India, albeit adapted to local conditions. From the time of King Yasovarman I, for whom the city (originally called Yasodharapura) was named, Angkor was designed as a symbolic universe modelled on traditional Indian cosmology, and its temples were built in order to provide a means whereby Khmer kings could be assured of immortality by becoming closely identified with Shaiva or one of the other important deities of the realm. Angkor Wat, for instance, was built by King Suryavarman II as a huge funerary temple and tomb to serve as a home for his earthly remains and to confirm his immortal and eternal identitification with Vishnu.

Angkor Wat defines what has come to be understood as the classical style of Angkorian architecture: other temples designed in this idiom include Banteay Samre and Thommanon in the area of Angkor, and Phimai in modern Thailand. It combines two basic features of Khmer temple architecture: the temple-mountain and the galleried temple, founded on early Dravidian architecture, with key features including the "Jagati" - a raised platform or terrace upon which many buddhist and hindu temples were built. In addition to Angkor Wat, another famous shrine with a jagati is the Kandariya Mahadeva Temple, at Khajuraho.

Built on rising ground and surrounded by an artificial moat, the temple of Angkor Wat is laid out symmetrically on tiered platforms that ascend to the central tower (one of a quincunx), which rises to a height of 213 feet (65 metres). Long colonnades connect the towers at each stepped level in concentric rings of rectangular galleries, whose walls are lined with sculpture and relief carvings. The temple is approached across the moat, via a stone causeway lined with stone figures. The ascending towers represent the spiritual world and mountain homes of the gods and were probably built in homage to ancestral deities. The temple's structures are chiefly built in stone with detailed bas-reliefs carved into the walls the corbelled blockwork and pseudo-vaulted towers are covered with highly animated figures chiseled into the sandstone and volcanic rock.

The Angkor Wat temple is world famous for its stone sculpture which can be seen on almost all of its surfaces, columns, lintels and roofs. There are literally miles of reliefs, typically in the form of bas-relief friezes illustrating scenes from Indian mythology, and featuring a bewildering array of animal and human figures, as well as abstract motifs like lotus rosettes and garlands. They include: devatas (Hindu gods or spirits), griffins, unicorns, lions, garudas, snakes, winged dragons, dancing girls and warriors. Khmer sculptors - surely some of the greatest sculptors in southeast Asia - paid meticulous attention to the headdresses, hair, garments, posture and jewellery of the deities and human figures. In addition to reliefs, Angkor Wat contains numerous statues of Buddhas and Bodhisattvas.

Carved pediments and lintels decorate the entrances to the galleries and to the shrines. While the inner walls of the outer gallery, for example, are decorated with a series of large-scale scenes depicting episodes from Hindu sagas like the Ramayana and the Mahabharata. On the southern gallery walls there is a representation of the 37 heavens and 32 hells of Hindu mythology, while the eastern gallery houses one of the most celebrated friezes, the Churning of the Sea of Milk, featuring Vishnu showing 88 devas and 92 asuras.

More Articles about Asian Art

• Japanese Art (c.14,500 BCE - 1900): Guide to the Arts & Crafts of Japan.

• Sanxingdui Bronzes (1200-1000 BCE): Sculptures of Human Faces & Masks.

• Chinese Buddhist Sculpture (100-present): Characteristics, History, Statues.

• Chinese Porcelain (c.100-1800): Types and Characteristics.

• Indian Sculpture (3300 BCE - 1850)
From Indus Valley culture to the Mughal school of plastic art.

• Classical Indian Painting (Up to 1150 CE)
From Ajanta Caves to late classical Buddhist art in Bengal.

• Post-Classical Indian Painting (14th-16th Century)
From Vijayanagar painting to Hindu art in Orissa.

• Mughal Painting (16th-19th Century)
From Babur and Akbar schools to the painters of the Deccan.

• Rajput Painting (16th-19th Century)
From to the Upper Punjab schools.


Fatos e informações importantes

Contexto histórico

  • Angkor Wat, built by Khmer King Suryavarman II in Yaśodharapura (present-day Angkor), the capital of the Khmer Empire, was his state temple and eventual mausoleum. It was originally constructed as a Hindu temple dedicated to the god Vishnu for the Khmer Empire and gradually transformed into a Buddhist temple towards the end of the 12th century.
  • The temple became known to the Western world after one of the first Western visitors, Portugal’s António da Madalena, visited Angkor Wat in 1586.
  • Madalena’s description of Angkor Wat inspired the awe of many Europeans. He explained that the temple’s extraordinary construction could not be described by a pen and that it was a monument of unparalleled beauty.
  • Another visit by a European also encouraged a wave of expeditions to Cambodia. French naturalist Henri Mouhot wrote extensive descriptions of the temple that were published after his death.
  • Mouhot, who visited Angkor Wat in the middle of the 19th century, described the monument as grander than any architectural legacy of the Greeks or Romans.
  • Since that time, Angkor Wat has been the subject of significant research. Expeditions from various countries have attempted to discover the secrets of the temple complex, and millions of tourists have flocked to Cambodia from all corners of the globe. Thus, Angkor Wat continues to fascinate and inspire awe up to the present day.
  • It was built in the first half of the 12th century (113-5 B.C.). The temple has been estimated to have taken 30 years to construct. While Suryavarman II may have planned Angkor Wat as his funerary temple, or mausoleum, he was never buried there as he died in battle during a failed expedition to subdue the Dai Viet (Vietnamese). The work appeared to have ended shortly after the king’s death, leaving some of the bas-relief decorations unfinished.
  • The sandstone blocks from which Angkor Wat is built were quarried from the holy mountain of Phnom Kulen, more than 50km away, and floated down the Siem Reap River on rafts, requiring the labor of thousands. According to inscriptions, the construction of Angkor Wat involved 300,000 workers and 6,000 elephants, yet it remains uncompleted.

Legends of Angkor Wat

  • Several legends are associated with the building of the monument, and towards the 12th century, Angkor Wat became a center of Buddhist worship.
  • According to legend, the construction of Angkor Wat was ordered by Indra to serve as a palace for his son, Precha Ket Mealea.
  • According to the 13th-century Chinese traveler, Zhou Daguan, some believed that the temple was constructed in a single night by a divine architect.
  • From a distance, Angkor Wat appears to be a colossal mass of stone on one level with a long causeway leading to the center, but close up it is a series of elevated towers, covered galleries, chambers, porches and courtyards on different levels linked by stairways.
  • The height of Angkor Wat from the ground to the top of the central tower is greater than it might appear: 213 meters (699 feet) achieved by three rectangular or square levels (1-3). Each one is progressively smaller and higher than the one below, starting from the outer limits of the temple.
  • Covered galleries with columns define the boundaries of the first and second levels. The third level supports five towers – four in the corners and one in the middle – and these are the most prominent architectural feature of Angkor Wat.
  • The central tower rises from the center of the monument symbolizing the mythical mountain, Meru, situated at the center of the universe. Its five towers correspond to the peaks of Meru. The outer wall corresponds to the mountains at the edge of the world, and the surrounding moat, the oceans beyond.
  • While pictures of the temple are beautiful and show it’s grandeur, it must be seen to be fully understood and appreciated.
  • The Angkor Wat Gallery of bas-reliefs, surrounding the first level of Angkor Wat, contains 1,200 square meters (12,917 square feet) of sandstone carvings. The reliefs cover most of the inner wall of all four sides of the gallery and extend two meters (seven feet) high from top to bottom.
  • The reliefs are meant to be seen in a counter-clockwise direction. Each section of the bas-relief depicts a story and most of them are about battles between gods and demons.

Temple Etiquette

  • Angkor Wat is a UNESCO World Heritage Site.
  • As the temples of Angkor represent a sacred religious site to the Khmer people, visitors are asked to dress modestly. It is not permissible to visit the highest level of Angkor Wat without the upper arms and knees covered.
  • Local authorities have recently released visitor ‘code of conduct’ guidelines and a video to encourage appropriate dress, as well as reminding tourists not to touch or sit on the ancient structures, to pay attention to restricted areas, and to be respectful of monks.
  • Angkor Wat has become a symbol of Cambodia, appearing on its national flag, and it is the country’s prime attraction for visitors.
  • Angkor Wat means “City of Temples” or simply “City Temple”.
  • Khmer or Cambodian is the language of the Khmer people and the official language of Cambodia.
  • Wat is the Khmer name for temple, which was probably added to “Angkor” when it became a Theravada Buddhist monument, most likely in the sixteenth century.
  • The temple is mostly constructed of sandstone as the main building material. O ligante utilizado para unir os blocos ainda não foi identificado, embora tenham sido sugeridas resinas naturais ou cal apagada.
  • The temple contains more than 1,800 carved apsara and hundreds of meters of bas-reliefs.
  • It is the only Khmerian temple that has been in continuous use since its construction.

Angkor Wat Worksheets

This is a fantastic bundle which includes everything you need to know about Angkor Wat across 28 in-depth pages. Estes são ready-to-use Angkor Wat worksheets that are perfect for teaching students about the Angkor Wat which is the largest religious monument in the world, measuring 162.6 hectares. It is the heart and soul of Cambodia and a source of fierce national pride. As it is the best-preserved temple at the site, it is the only one to have remained a significant religious center since its creation.

Lista completa das planilhas incluídas

  • Angkor Wat Facts
  • Angkor Wat the Magnificent
  • Thumbs Up or Down?
  • Decorum
  • “WAT” is that Picture?
  • The Explorer!
  • Wat a Relief!
  • Search for the Right Words
  • Unscramble it!
  • Color Me Happy!
  • Make the Right Choice!

Link / cite esta página

Se você fizer referência a qualquer conteúdo desta página em seu próprio site, use o código a seguir para citar esta página como a fonte original.

Use com qualquer currículo

Essas planilhas foram projetadas especificamente para uso com qualquer currículo internacional. Você pode usar essas planilhas no estado em que se encontram ou editá-las usando o Apresentações Google para torná-las mais específicas para seus próprios níveis de habilidade dos alunos e padrões de currículo.


ANGKOR WAT: History, Architecture and Style

It seems like Cambodia is quickly becoming one of the hottest places on earth for tourists to select for where they will spend their vacation. We are not just talking about hot as in temperature, but are instead talking about making this the place to go.

There are beautiful beaches, amazing wildlife to see, and unbelievable waters to snorkel, swim and scuba dive in. Some of the most unusual species of animals exist in this country. In fact, in Ream National Park, a nature preserve located in the southwest portion of Cambodia, there is the largest number of threatened and endangered species of animals, plants, and insects on the planet Earth. This makes it so that tourists and visitors can see wildlife that they would find nowhere else on earth.

While Cambodia is known for all of these incredible attractions and sites that are drawing tourists and visitors to them, this ancient land also holds a large number of historical sites that make it a truly spectacular place to visit. None of these is more impressive than Angkor Wat.

Tell Us More About Angkor Wat

For those who are unfamiliar with this incredible location, this is a beautiful temple built nearly 900 years ago. This is such a majestic and beautiful site that it has been deemed as one of the seven Wonders of the World. Clearly this designation says a whole lot about how incredibly beautiful this temple is.

The Angkor Wat is not only the largest temple in Cambodia, but is actually the largest religious monument in the entire world. The temple monument covers 1,600,000 square meters and was originally built as a Hindu monument during the Khmer Empire. In less than 100 years this temple site would be transformed into the largest Buddhist monument on the planet, and still exists in this fashion today.

The site of the monument seems odd to many tourists and visitors because it is deeper within the Cambodian nation, however it needs to be understood that in the early 12th century Angkor was the capital city of the Khmer Empire. The work on this temple began under King Suryavarman II, but he would die long before the project was completed. It would later be finished under King Jayavarman VII.

This incredible monument began as to showpiece for the Khmer Empire, but is now become one of the most important monuments in all of Cambodia. Millions of people come to see this site each year, and it is used in much of the tourist literature to attract visitors to the nation. Beaches and scuba diving may be a key factor of why so many people want to come to this country on vacation, but Angkor Wat is the real highlight for any vacationer.

History of Angkor Wat

Angkor Wat is located about 3.5 miles away from the modern city of Seam Reap. O local foi escolhido porque Angkor Wat se tornaria a nova capital do Império Khmer. Several other ancient temple structures are built in small regions near the site, but this was to be the granddaddy of them all.

The purpose of the temple was to become the new palace for PrechaKetMeelea, the son of Indra. According to the Chinese traveler Daguan Zhou, the temple was supposed to have been built in one single night as part of the divine intervention of the Hindu gods. This same traveler also proposed a story of the temple being built for the King son.

According to historical records the temple began to be constructed during the reign of Suryavarman II around the year 1113. It was dedicated to the Hindu god Vishnu and was built to be the kings personal temple and headquarters for his new capital city.

Much of the early history related to Angkor Wat has come from word-of-mouth or documents from other civilizations speaking about the temple. There are no legal documents remaining from the early decades when the construction began, with the exception of references being made about it being dedicated to Vishnu.

From what historians have been able to surmise, construction of the temple area ended shortly after the death of Suryavarman. This may have been due to the city being sacked by the enemies of the Khmer, the Chams, which left the Empire in disarray for quite some time.

For nearly 27 years the temple complex remained dormant, as construction completely ended in the Empire was looking to try to regain its prior prominence. When King Jayavarman came to power he rebuilt the Khmer Empire, but decided to move his temple and capital city a few miles north from Angkor Wat. This led to the construction of Angkor Thom, however, he did decide to complete the building of the temple. This led to the final appearance of Angkor Wat, to include its decoration, carvings, and statues.

Oddly enough, despite the fact that the temple had been completed, there was still no real use for it within the Hindu faith of the region. With the new temple being built in Angkor Thom the one in Angkor Wat became virtually unnecessary. This allowed for it to move from a center of Hindu worship into one used by Buddhists. This is still true today.

For centuries after its completion, it was used as a Buddhist temple, but not one that was widely known about. This meant that a small number of monks maintained the structure, but large numbers of people did not flock to the temple for prayer or meditation.

Despite its massive size, the world was quite oblivious to the 12th century temple complex, that is until 1586. In that year, Antonio da Madalena, a monk from the nation of Portugal, came to Cambodia and became the first known westerner to lay his eyes on the complex. He was truly captivated by grandeur of the complex, and documented his discovery. Of the temple complex he wrote, “it is of such extraordinary construction that it is not possible to describe it with a pen, particularly since it is like no other building in the world. It has towers and decoration and all the refinements which the human genius can conceive of.”

His description did not inspire many to come to see this beautiful complex, and so for nearly 100 years Angkor Wat was a temple used by Buddhists, but was largely abandoned for the most part. The temple seemed destined to become one of the greatest man-made inventions that no one knew about. That is until 1632.

In that year a group of Buddhists from the country of Japan came to visit the historic site. They chose to celebrate the Khmer New Year at Angkor Wat making it the largest celebration at the temple complex in over 400 years.

In the 1800s the cat was finally out of the bag. The great French explorer Henri Mouhot came to the site and published a series of notes and drawings depicting how spectacular the temple site was. Within 10 years of his discovery photographers came capturing images for the entire world. It had been wondered if this beautiful wonder of the world would lay unrecognized by most of the world, but that rapidly came to an end with the pictures drawn by Mouhot.

As an interesting side note, it was his discovery that led the French government to determine that they wanted to make Cambodia one of their protectorates. The government found this site to be of such universal importance that they wanted to prevent invading armies and thieves from Siam from taking the treasures or destroying the temple area. On August 11, 1863, the French named Cambodia as one of their protectorates nations, and dispatched an armed garrison to protect the temple complex and its treasures. A French colonial flag flew over the temple for over 90 years before Cambodia gained its independence from France on November 9, 1953.

A Description of the Site and Its Architecture

Angkor Wat is located in a mountainous area of Cambodia. In fact, the primary temple of the complex is located at the peak and is intended to honor Mount Meru, the mythical temple of the Hindu gods. The central geometric pattern was to symbolize the five peaks of this mount, while the walls in the moat surrounding the temple complex were to represent mountain ranges in the ocean where the gods lived.

During the early years that the temple existed all were welcome to enjoy the entire complex and to pray or meditate anywhere within the complex itself. It was built with the idea that all would be welcome despite the fact that the king chose to build this complex as a way to please the gods and to leave a long lasting legacy to himself. Over the years, certain portions of the complex, especially the upper areas of the temple have been restricted so that only the highest members of the Buddhist faith were allowed in while the laity were only allowed in the lower levels.

One of the interesting aspects of this temple is the fact that it is a variant it to the West rather than to the east. Many have believed that this was due to the fact that Suryavarman built the complex as a funerary temple. Support for this idea has come from the fact that the normal process by which the temple and its artifacts would appear, known as the bas-reliefs, is in a counterclockwise direction, the reverse of what would be normally true in Hindu temples. Others summarize that the Western orientation is because it is dedicated to the god Vishnu, who was associated with the West.

The Style of Angkor Wat

This incredible religious site is a prime example of the Khmer architecture. In fact, this style has become so synonymous with the temple area that the classical style is now referred to as Angkor Wat style. The architects of the time were quite skilled in using sandstone, thus the majority of the structure is built out of this material. As a biding agent they used natural resins and slaked lime.

From an architectural standpoint, the building uses a wide variety of different structures, including such things as redented towers that looks very much like lotus buds, half galleries that brought them into passageways, axial galleries that were used to connect various enclosures, and cruciform terraces which are built along the main axis of the temple. Angkor Wat is a truly spectacular architectural innovation, making it easy to see why it is considered one of the great Wonders of the World.

Key Features of Angkor Wat

There is a great deal to like about this beautiful complex. It starts with the outer wall, which has dimensions of over 1000 m by over 800 m wide, with a wall that is over 15 feet high. Stretching out from the outer wall is a moat that is 620 feet wide and in circles around the beautiful complex. Wooden bridges are placed strategically across the mode at several places allowing tourists the opportunity to enter the temple area and view the true majesty of this complex.

There are beautiful galleries that run between the towers. The access to these galleries is provided by large gates, referred to as the elephant dates, which were large enough to allow animals to be able to enter the complex. The ceiling of the temple is decorated with lotus rosettes, and the West face of the wall with a series of dancing figurines. On the east face of the wall are spectacular and enormous windows, decorated with dancing male figures on prancing animals.

The central area of the temple stands on a terrace that raises the level of the temple higher than the city itself. Constructed of three rectangular galleries which rise to display the central tower, the architects design this so that each level is higher than the previous. The Hindu gods Brahma and Vishnu are centrally displayed in the central tower and are important figures within the Hindu faith. Interestingly enough, when Buddhist monks took over the temple area they did not find it necessary to remove these depictions or statues from the Hindu faith.

The Great Tourist Attraction

Since the early 1990s Angkor Wat has been one of the most sought after tourist destinations for people around the world. Is incredible as this temple is it is easy to see why so many would find it an incredible place to visit. There were not only Buddhists who wish to take a pilgrimage to this historic landmark, but people who just want to see the beautiful structure that is existed for over 800 years.

Tourism to the site really began to pick up following 2004. In 1993 the government of Cambodia castoff the Khmer Rouge tyranny and a new democratic legacy began in the southeast Asian nation. In that year 7,650 visitors sought visas to come to the site. Just 10 years later that number increased to over 500,000 people coming from foreign countries to visit the spectacular landmark. Just four years later over 1 billion people have come to Cambodia to see the spectacular temple.

The increased traffic flow to Angkor Wat has created issues. The large number of people have led to destruction and graffiti in areas of the temple, as well as natural wear and tear from so many people visiting the site. Consider that for centuries very few people even knew about Angkor Wat and now millions of people are coming to it each and every year it’s a population explosion the temple appears not to of been ready for.

Fortunately, the government of Cambodia has been quick to ensure that its national treasure is being properly cared for. The government has made it so that 28% of ticket revenue used to reach the Angkor site is given directly to the restoration and protection of the religious temple. This has insured that the sanctity and beauty of this spectacular landmark has been well maintained and kept safe from those seeking to do what harm.

Planning a Trip to See This Incredible Landmark

Clearly, this is a location that everyone should have the opportunity to see some point in their lifetime. It is such a beautiful look at the history of this nation that has been so well-maintained that you will not believe that this is survived nearly intact for over 800 years.

If you wish to get here the most sensible thing to do is to plan a trip to the city of Seam Reap. There you will find incredible hotel accommodations or resorts to stay in that are very reasonably priced. Once there you can buy tickets to come tour Angkor Wat. The cost ranges from $25-$50, depending on the sites you wish to see in the duration of time you wish to spend their, and often includes your travel from the city out to Angkor Wat to spend the day. The moment you step off the bus and take a look at this ancient city you will find that the prices well worth it.


Tips About Visiting Angkor Wat Temple Cambodia

WHAT TO WEAR:

There isn’t a strict dress code on what to wear unlike other Buddhist temples in South East Asia. Although, since Angkor Wat is still a temple, holy to the local people cover yourself appropriately. Wear loose and comfortable clothes since humidity will be at its peak, no matter when you go.

I will recommend knee-length shorts, skirts or dresses along with light knit t-shirts. Cover your shoulders, apart from the culture, to avoid sunburn. Do not wear heels or even wedges. The terrain will be rough and I will recommend only wearing sneakers, sports shoes or sandals here. Also, carry a hat and sunglasses to protect yourself from scorching heat.

In Southeast Asia? Here is our complete checklist on what to pack to Southeast Asia

RESPECT THE TEMPLE:

Do not go climbing on the Bayon faces or posing inappropriately around the temple. Trust me, you will see a lot of them doing so. But it’s not cool and the locals do not appreciate it. It is a holy site for millions of people and getting a sexy Instagram photo with out-of-context behaviour will not be largely appreciated.

RESPECT THE MONKS:

You will find many monks in the area. Be extremely respectful to them. Do not touch them, especially females since it will break their holy vows. If you want to take a picture of them, ask them first and politely. Don’t try to get too overfriendly suddenly.

TAKE SOMETHING TO EAT:

Even though there are a few eateries inside the complex, take snacks and water along with you. It may take a while exploring one of these places and eateries are far from each other. Apart from that, take your trash home. Even if you cannot find a dustbin in the vicinity, take your trash home.

TAKING NOTHING WHICH IS FREE:

Scams are common in Cambodia. Sometimes it’s your luggage, other times it’s just a dollar. But don’t let anyone take your passport or your mobile phone or it can be used against you. Even if someone offers you to give an interesting tip about a place, change notes for you or take a photograph, they will probably ask for money for the exchange.

DON’T RIDE AN ELEPHANT:

For the sake of the animals, don’t. The elephants are not treated well and often abused. Don’t support the people running it, even if others do.


Assista o vídeo: Building Angkor - Monsoon Metropolis - Extra History - #1