Smith assume o controle de Jamestown - História

Smith assume o controle de Jamestown - História



We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.


Pocohontos protegendo o Capitão Smith

Na primavera de 1608, o capitão John Smith, que era um líder natural, assumiu o controle do assentamento. Smith superou um dos maiores problemas do assentamento, a falta de vontade de muitos dos nobres em trabalhar. Ele fez uma regra simples: sem trabalho ... sem comida.

Smith passou um tempo procurando comida e, em uma dessas missões, aconteceu uma das maiores histórias da história americana. Ele foi capturado pelo nativo americano local e levado para o acampamento. Então, quando ele estava para ser morto, Pocahontas, a filha favorita de Powhatan, o chefe índio, saltou e o impediu de ser morto. A partir daquele momento, Pocohantas considerou Smith um irmão e ajudou-o a obter alimentos e outros suprimentos das tribos indígenas locais.

.



Smith, John (bap. 1580–1631)

O capitão John Smith foi um soldado e escritor mais conhecido por seu papel no estabelecimento da colônia da Virgínia em Jamestown, a primeira colônia permanente da Inglaterra na América do Norte. Filho de um fazendeiro, Smith foi um soldado rico na Europa antes de se juntar à expedição da Virginia Company of London de 1606-1607. Em Jamestown, Smith serviu no conselho local, explorou e mapeou a Baía de Chesapeake e estabeleceu uma relação às vezes contenciosa com Powhatan, o chefe supremo de Tsenacomoco e foi presidente da colônia de setembro de 1609 a setembro de 1610. Ele era impopular entre seus colegas colonos, no entanto, que forçou seu retorno à Inglaterra em outubro de 1610. Smith nunca voltou à Virgínia, mas ele viajou e mapeou uma parte da costa nordeste da América do Norte, que chamou de Nova Inglaterra. Muito do que se sabe sobre a vida de Smith vem de seus próprios relatos detalhados e informativos de suas experiências. Embora muitos de seus contemporâneos o considerassem um fanfarrão e ele quase certamente embelezasse suas próprias realizações, suas narrativas fornecem insights inestimáveis ​​sobre a vida inglesa e nativa durante os anos de formação da colônia da Virgínia.


The Jamestown Colony

Apresenta a história de Jamestown, o primeiro assentamento inglês permanente na América do Norte, incluindo o papel do Capitão John Smith, os altos e baixos das relações com os índios Powhatan e as dificuldades que os colonos enfrentaram

Inclui referências bibliográficas e índice

Viagem para a Virgínia: em busca de riquezas - Um começo difícil - John Smith assume o comando - Luta pela sobrevivência - Um acordo de sucesso

Uma seleção da associação da biblioteca júnior

Item restrito de acesso true Addeddate 2018-06-14 00:37:26 Bookplateleaf 0002 Boxid IA1254417 Câmera Sony Alpha-A6300 (controle) Collection_set china Identificador externo urn: oclc: record: 1150108574 Foldoutcount 0 Identifier jamestowncolony0000higg Identifier-ark ark: / 13960 / t4sj8bt5w Fatura 1213 Isbn 9781617837104
1617837105
1617837601
9781617837609 LCCN 2012946532 Ocr FineReader 11,0 (Extended OCR) Openlibrary_edition OL26461878M Openlibrary_work Páginas OL17882286W 58 Ppi 300 Impressora DYMO_LabelWriter_450_Turbo Republisher_date 20180619123933 Republisher_operator [email protected] Republisher_time 291 Scandate 20180614005421 Scanner ttscribe18.hongkong.archive.org Scanningcenter Hong Kong Tts_version v1.58- final-25-g44facaa

As primeiras relações da Virgínia com os nativos americanos

Os que viviam na área onde Jamestown foi estabelecido devem ter sentimentos contraditórios sobre a chegada dos ingleses em 1607. Uma de suas primeiras reações foi a hostilidade baseada em sua experiência anterior com exploradores espanhóis ao longo de sua costa. Eles atacaram um dos navios antes que os ingleses realmente pousassem. Mesmo assim, eles logo começaram a oferecer comida e hospitalidade aos recém-chegados. A princípio, Powhatan, líder de uma confederação de tribos ao redor da Baía de Chesapeake, esperava absorver os recém-chegados por meio da hospitalidade e de suas ofertas de comida. Enquanto os colonos buscavam riqueza instantânea, eles negligenciaram o plantio de milho e outros trabalhos necessários para tornar sua colônia autossuficiente. Portanto, eles se tornaram cada vez mais dependentes dos povos indígenas para se alimentar.

Como a sorte da colônia se deteriorou durante seus primeiros dois anos, a liderança do Capitão John Smith salvou a colônia. Parte dessa liderança envolveu explorar a área e estabelecer comércio com a população local. Infelizmente para os nativos americanos, Smith acreditava que os ingleses deveriam tratá-los como os espanhóis: para obrigá-los ao "trabalho enfadonho, ao trabalho e à escravidão", para que os colonos ingleses pudessem viver "como soldados do fruto de seu trabalho". Assim, quando suas negociações por comida falharam ocasionalmente, Smith pegou o que queria à força.

Em 1609, Powhatan percebeu que os ingleses pretendiam ficar. Além disso, ele ficou desapontado porque os ingleses não retribuíram sua hospitalidade nem se casaram com mulheres nativas americanas. Ele sabia que os ingleses "invadem meu povo, possuem meu país". Assim, os nativos americanos começaram a atacar os colonos, matando seus rebanhos e queimando as plantações que plantavam. Enquanto isso, Powhatan afirmava que simplesmente não conseguia controlar os jovens que estavam cometendo esses atos sem seu conhecimento ou permissão. Tenha em mente, entretanto, que as reações e declarações de Powhatan foram relatadas por John Smith, dificilmente um observador imparcial.

Na próxima década, os colonos conduziram buscas e destruições em assentamentos de nativos americanos. Eles queimaram aldeias e plantações de milho (irônico, já que os ingleses costumavam passar fome). Ambos os lados cometeram atrocidades um contra o outro. Powhatan foi finalmente forçado a uma espécie de trégua. Os colonos capturaram a filha favorita de Powhatan, Pocahontas, que logo se casou com John Rolfe. O casamento deles ajudou as relações entre os nativos americanos e os colonos.

Com a reorganização da colônia sob o comando de Sir Edwin Sandys, as políticas fundiárias liberais levaram à dispersão dos assentamentos ingleses ao longo do rio James. Aumentar o cultivo do tabaco exigiu mais terra (já que o tabaco desgastou o solo em três ou quatro anos) e o desmatamento de áreas florestais para tornar a terra adequada para o plantio. A expansão dos assentamentos ingleses significou mais invasão nas terras dos nativos americanos e um contato um pouco maior com os nativos americanos. Também deixou os colonos mais vulneráveis ​​a ataques. A essa altura, os índios americanos perceberam plenamente o que significava a presença contínua dos ingleses na Virgínia - mais plantações, a derrubada de mais florestas, a matança de mais caça - em suma, uma ameaça maior ao seu modo de vida. Os autoproclamados esforços humanitários de pessoas como George Thorpe - que buscavam converter crianças indianas ao cristianismo por meio da educação - também não ajudaram. Finalmente, as mortes de Powhatan e Pocahontas aceleraram ainda mais as hostilidades.

Os nativos americanos, liderados pelo irmão de Powhatan, Opechancanough, esperaram sua vez. Fingindo amizade, eles esperavam por uma oportunidade para atacar os ingleses e expulsá-los da Virgínia. No início de 1622, eles atacaram. Ao todo, quase 350 colonos foram mortos. A própria Jamestown foi salva apenas pelo aviso de um cristão nativo americano convertido. Um dos resultados foi uma atitude inglesa cada vez mais endurecida em relação ao nativo americano. Outra foram as represálias sangrentas contra as tribos locais.

Para documentos adicionais relacionados a esses tópicos, provavelmente é melhor focar no artigo de John Smith História Geral da Virgínia e a coleção de folhetos de Peter Force. Ambos os itens estão na Capital e na Baía. Outra boa fonte de informação são os Records of the Virginia Company, nos jornais Thomas Jefferson. Além de navegar nessas fontes, use os termos encontrados nos documentos à direita da página.


Virginia Company

Nossos editores irão revisar o que você enviou e determinar se o artigo deve ser revisado.

Virginia Company, na íntegra Virginia Company of London, também chamado London Company, empresa comercial, fretada pelo rei Jaime I da Inglaterra em abril de 1606 com o objetivo de colonizar a costa leste da América do Norte entre as latitudes 34 ° e 41 ° N. Seus acionistas eram londrinos, e se distinguia da Plymouth Company, que foi fretado na mesma época e composto principalmente por homens de Plymouth.

Em dezembro de 1606, a Virginia Company enviou três navios transportando aproximadamente 105 colonos liderados por Christopher Newport. Em maio de 1607, os colonos alcançaram a Virgínia e fundaram a colônia Jamestown na foz do rio James. Depois de algumas dificuldades iniciais, a colônia criou raízes e a própria Virginia Company foi reconstituída em uma base legal mais ampla. Uma nova carta em 1609 reorganizou sua estrutura de governo.

Em 1619, a empresa estabeleceu a primeira verdadeira legislatura da América continental, a Assembleia Geral, que foi organizada bicameralmente. Consistia no governador e seu conselho, nomeado pela companhia na Inglaterra, e na Casa dos Burgesses, composta por dois burgueses de cada um dos quatro bairros e sete plantations.

Apesar do aumento da prosperidade na Virgínia nos anos seguintes, o papel da empresa foi atacado à medida que as disputas internas entre os acionistas aumentaram e o próprio rei ficou ofendido tanto pela tendência de governo popular na Virgínia quanto pelos esforços da colônia para cultivar o tabaco, um “ produto nocivo ”que ele desaprovou. Uma petição apresentada ao rei, pedindo uma investigação das condições na colônia, levou a um julgamento perante o King's Bench em maio de 1624. O tribunal decidiu contra a Virginia Company, que foi então dissolvida, resultando na transformação da Virginia em uma colônia real.


Chegada de Sir Thomas Dale

A chegada de Sir Thomas Dale em 19 de maio de 1611 marcou uma virada na história de Jamestown. Já na Inglaterra, as fortunas da colônia & # 8217 estavam se recuperando graças a um público atingido pela milagrosa sobrevivência dos Sea Venture. Talvez o reverendo Symonds estivesse certo o tempo todo: em vez da maldição de Deus, Virgínia era o chamado de Deus. Em Dale, que atuou como governador interino na ausência de De La Warr e Gates, a colônia encontrou um líder com a obstinação implacável para fazê-lo funcionar. (Smith, sem dúvida, compartilhava dessa qualidade, tendo uma vez declarado que & # 8220o que não trabalhar não comerá & # 8221, mas a Virginia Company não permitiria que ele voltasse.) No primeiro dia de Dale & # 8217, o colono Ralph Hamor escreveu mais tarde, o governador & # 8220hastened & # 8221 & # 8221 para Jamestown apenas para descobrir que seus pupilos em & # 8220seus trabalhos diários e habituais, boliche nas ruas. & # 8221 Arqueólogos como William M. Kelso e historiadores como Karen Ordahl Kupperman se opuseram acusações frequentes de que os colonos eram preguiçosos com a observação, nas palavras de Kupperman & # 8217s, de que a desnutrição e a doença & # 8220 interagiam com os efeitos psicológicos do isolamento e do desespero e cada um intensificava o outro & # 8221 - produzindo um comportamento que poderia ser confundido com ociosidade.

Apesar de tudo, o comportamento não durou. Dale ordenou que as safras fossem plantadas, com as guarnições nos Forts Charles e Henry especializadas em milho, e os colonos em Jamestown e Fort Algernon, em Point Comfort, criando gado e manufaturados. Para incutir disciplina, Dale aplicou o que veio a ser conhecido como o Lawes Divine, Morall and Martiall, que incluía uma lei marcial para soldados, bem como um código de conduta estrito para civis. O primeiro corpo de leis em língua inglesa no hemisfério ocidental, as ordens (não eram um código legal no sentido moderno) foram severas o suficiente para atrair muitas críticas, tanto na Virgínia quanto na Inglaterra. Condenado por roubar aveia, um homem sofreu uma picada na língua, após o que foi amarrado a uma árvore até morrer de fome.

Em junho, Dale & # 8217s homens enfrentaram um navio de reconhecimento espanhol em Point Comfort, na foz do James. Conseguiram até capturar três de seus homens, incluindo o comandante, Don Diego de Molina, e um vira-casaca inglês, Francis Lembry, que em 1588 havia pilotado um navio na Armada Espanhola. O espanhol apreendeu um dos homens de Dale & # 8217s, John Clark - mais tarde ele serviu como mestre & # 8217s imediato no Mayflower- aumentando o medo de que a Espanha voltasse com força e acabasse com uma colônia que parecia perpetuamente à beira do abismo. Mas os espanhóis nunca vieram, e em agosto Sir Thomas Gates veio, junto com 300 novos colonos que aumentaram a população para cerca de 750. Em setembro, Dale e Edward Brewster lideraram uma expedição às cataratas do James, onde conseguiram, finalmente, encontrou um assentamento fora da agora apertada Jamestown. Eles a chamavam de Cidade de Henrico, ou Henricus, em homenagem ao patrono de Dale e ao herdeiro do rei, Henrique, Príncipe de Gales. Em dezembro, Henrico se tornou o ponto de partida para um ataque aos Appamattucks próximos, cuja derrota permitiu a fundação de outro assentamento, Bermuda Hundred.

A expansão da Virgínia fora de Jamestown foi crítica para sua sobrevivência, mas dificilmente resolveu todos os problemas da colônia. Em 1612, os colonos se rebelaram novamente e a Virginia Company se preocupou com uma reação das relações públicas contra a aplicação estrita da lei por Dale. Em vez disso, em abril de 1613, Samuel Argall usou suas conexões com um Patawomeck weroance para capturar Pocahontas, um feito que eventualmente permitiu a Dale negociar o fim da longa e sangrenta guerra. John Rolfe, entretanto, que se casou com Pocahontas em 1614, introduziu na Virgínia uma variedade de tabaco das Índias Ocidentais (Nicotiana tabacum) que eventualmente, e contra a vontade do rei e da companhia, transformou sua economia.


A colônia tentou encobrir suas falhas de uma maneira mórbida

O mínimo que os colonos podiam fazer por seus habitantes decaídos era enterrá-los em uma cova, merecendo o respeito que ganharam por viajar para Jamestown, no entanto, isso estava longe de ser o caso. Aqueles que adoeceram ou enfrentaram as consequências da fome acabaram sendo jogados em sepulturas não identificadas, em parte devido a razões políticas. Não poderia ser revelado o quão ruim Jamestown estava realmente indo, portanto, muitos corpos foram jogados em buracos não marcados e como a população continuou a diminuir, dois seriam enterrados ao mesmo tempo em um túmulo. Isso aconteceria atrás da cobertura de um muro alto do forte para que ninguém soubesse o que estavam fazendo.


Conteúdo

A London Company enviou uma expedição para estabelecer um assentamento na Colônia da Virgínia em dezembro de 1606. A expedição consistia em três navios, Susan Constant (o maior navio, às vezes conhecido como Sarah Constant, Capitão Christopher Newport e no comando do grupo), Boa Sorte Vá com Deus (Capitão Bartolomeu Gosnold), e Descoberta (o menor navio, capitão John Ratcliffe). Os navios deixaram Blackwall, agora parte de Londres, com 105 homens e meninos e 39 tripulantes. [1] [2]

Em 6 de abril de 1607, Boa Sorte Vá com Deus, Susan Constant, e Descoberta chegaram à colônia espanhola de Porto Rico, onde pararam para comprar mantimentos antes de continuar sua jornada. Em abril de 1607, a expedição alcançou a extremidade sul da foz do que hoje é conhecido como Baía de Chesapeake. Depois de uma viagem incomumente longa de mais de quatro meses, os 104 homens e meninos (um passageiro do 105 original morreu durante a viagem) chegaram ao local escolhido para assentamento na Virgínia. [3] Não havia mulheres nos primeiros navios. [4]

Chegando à entrada da Baía de Chesapeake no final de abril, eles nomearam os cabos da Virgínia em homenagem aos filhos de seu rei, o sul do Cabo Henry, para Henry Frederick, Príncipe de Gales, e o norte do Cabo Charles, para seu irmão mais novo, Charles, Duque de York. Em 26 de abril de 1607, ao desembarcar no Cabo Henry, eles armaram uma cruz perto do local do atual Memorial do Cabo Henry e o Capelão Robert Hunt fez a seguinte declaração:

Nós, por meio deste, dedicamos esta terra, e nós mesmos, para alcançar o povo dentro dessas margens com o Evangelho de Jesus Cristo, e para levantar gerações piedosas depois de nós, e com essas gerações levar o Reino de Deus a toda a terra. Que esta Aliança de Dedicação permaneça por todas as gerações, enquanto esta terra durar. Que todos os que virem esta Cruz se lembrem do que fizemos aqui, e que os que vêm aqui habitar se juntem a nós nesta Aliança e nesta nobre obra para que as Sagradas Escrituras se cumpram.

Este local ficou conhecido como o "primeiro pouso". Um grupo de homens explorou a área e teve um pequeno conflito com alguns índios da Virgínia. [5]

Depois que a expedição chegou ao que hoje é a Virgínia, ordens seladas da Virginia Company de Londres foram abertas. Essas ordens nomearam o Capitão John Smith como membro do Conselho de Administração. Smith foi preso por motim durante a viagem e foi encarcerado a bordo de um dos navios. Ele havia sido escalado para ser enforcado na chegada, mas foi libertado pelo Capitão Newport após o início das ordens. As mesmas ordens também orientaram a expedição a buscar um local no interior para seu assentamento, que proporcionasse proteção contra navios inimigos.

Obedientes às suas ordens, os colonos e tripulantes embarcaram novamente em seus três navios e seguiram para a Baía de Chesapeake. Eles pousaram novamente no que agora é chamado de Old Point Comfort, na cidade de Hampton. Nos dias seguintes, procurando um local adequado para seu assentamento, os navios se aventuraram rio acima ao longo do rio James. Tanto o rio James quanto o assentamento que eles procuraram estabelecer, Jamestown (originalmente chamado de "James His Towne") foram nomeados em homenagem ao rei James I.

A seleção de Jamestown Edit

Em 14 de maio de 1607, os colonos escolheram a Ilha Jamestown para seu assentamento em grande parte porque a Virginia Company os aconselhou a selecionar um local que pudesse ser facilmente defendido de ataques de outros estados europeus que também estavam estabelecendo colônias no Novo Mundo e estavam periodicamente em guerra com a Inglaterra , notavelmente a República Holandesa, França e Espanha.

A ilha se enquadrava nos critérios, pois tinha excelente visibilidade para cima e para baixo do rio James, e estava longe o suficiente para o interior para minimizar o potencial de contato e conflito com navios inimigos. A água imediatamente adjacente à terra era profunda o suficiente para permitir que os colonos ancorassem seus navios, embora tivessem uma partida fácil e rápida, se necessário. Um benefício adicional do local era que as terras não eram ocupadas pelos índios da Virgínia, a maioria dos quais filiados à Confederação de Powhatan. Em grande parte isolado do continente, o porto raso permitiu que os primeiros colonos atracassem seus navios. Essa foi sua maior atração, mas também criou uma série de problemas desafiadores para os colonos.

Edição do Conselho Original

O rei Jaime I havia delineado os membros do conselho para governar o assentamento nas ordens seladas que deixaram Londres com os colonos em 1606. [6]

Os nomeados para o Conselho inicial foram:

    , Capitão de Boa Sorte Vá com Deus , Capitão de Susan Constant, mais tarde de Sea Venture , mais tarde executado com pena de morte em Jamestown, mais tarde fundador da Martin's Brandon Plantation, duas vezes presidente do conselho, capitão da Descoberta, segundo presidente do conselho, terceiro presidente do conselho e autor de muitos livros do período, primeiro presidente do conselho em Jamestown

Construção do forte Editar

Os colonos desembarcaram e rapidamente começaram a construir seu forte inicial. Muitos dos colonos que vieram nos três navios iniciais não estavam bem equipados para a vida que encontraram em Jamestown. Vários dos colonos originais eram cavalheiros de classe alta que não estavam acostumados ao trabalho manual; o grupo incluía muito poucos fazendeiros ou trabalhadores qualificados. [7] Também notável entre os primeiros colonos foi Robert Hunt, capelão que fez a primeira oração cristã em Cape Henry em 26 de abril de 1607, e realizou cultos ao ar livre em Jamestown até que uma igreja foi construída lá.

Apesar da área imediata de Jamestown estar desabitada, os colonos foram atacados menos de duas semanas após sua chegada em 14 de maio, por índios Paspahegh que conseguiram matar um dos colonos e ferir mais onze. Em um mês, James Fort cobriu um acre na Ilha Jamestown. Em 15 de junho, os colonos concluíram a construção do triangular James Fort. As paredes de paliçada de madeira formavam um triângulo em torno de um armazém, uma igreja e várias casas. Uma semana depois, Newport navegou de volta para Londres em Susan Constant com uma carga de pirita ("ouro dos tolos") e outros minerais supostamente preciosos, deixando para trás 104 colonos e Descoberta.

Logo ficou claro por que os índios da Virgínia não ocuparam o local: Jamestown Island, então uma península, é uma área pantanosa, e seu isolamento do continente significava que a caça disponível era limitada, já que a maioria dos animais de caça requeria áreas maiores de forrageamento. Os colonos rapidamente caçaram e mataram todos os grandes e pequenos animais de caça encontrados na minúscula península. Além disso, a área baixa e pantanosa estava infestada de pragas aerotransportadas, incluindo mosquitos, que transmitiam a malária, e a água salobra do rio James não era uma boa fonte de água. Mais de 135 colonos morreram de malária e beber água salgada e contaminada causou mais mortes por envenenamento por água salgada, febres e disenteria. Apesar de suas intenções originais de cultivar alimentos e comercializar com os índios da Virgínia, os colonos sobreviventes tornaram-se dependentes de missões de abastecimento.

Primeira edição de abastecimento

Newport voltou duas vezes da Inglaterra com suprimentos adicionais nos 18 meses seguintes, liderando o que foi chamado de missões de primeiro e segundo suprimentos. O "Primeiro Abastecimento" chegou em 2 de janeiro de 1608. Continha provisões insuficientes e mais de 70 novos colonos. [8] Pouco depois de sua chegada, o forte foi incendiado. [9] O conselho recebeu membros adicionais de

Segunda Edição de Suprimento

Em 1 de outubro de 1608, 70 novos colonos chegaram a bordo do inglês "Mary and Margaret" com o Second Supply, após uma viagem de aproximadamente três meses. Incluídos no Segundo Suprimento estavam Thomas Graves, Thomas Forrest, Esq e "Mistress Forrest e Anne Burras, sua criada". A Senhora Forrest e Anne Burras foram as duas primeiras mulheres conhecidas por terem vindo para a Colônia Jamestown. Restos desenterrados em Jamestown em 1997 podem ser os da Mistress Forrest. [10]

Também foram incluídos os primeiros colonos não ingleses. A empresa os recrutou como artesãos qualificados e especialistas do setor: cinza de sabão, vidro, madeira serrada (lambris, tábuas e 'negócio' - tábuas, especialmente tábuas de madeira macia) e provisões navais (piche, aguarrás e alcatrão). [11] [12] [13] [14] [15] [16] Entre esses colonos adicionais havia oito "holandeses" (consistindo de artesãos não identificados e três que provavelmente eram os madeireiros - Adam, Franz e Samuel) "holandeses" (provavelmente significando alemão ou falantes de alemão), [17] artesãos poloneses e eslovacos, [11] [12] [13] [14] [15] [16] que foram contratados pela Virginia Empresa de líderes de Londres para ajudar a desenvolver e fabricar produtos de exportação lucrativos. Tem havido um debate sobre a nacionalidade dos artesãos específicos, e tanto os alemães quanto os poloneses reivindicam o vidreiro para um deles, mas as evidências são insuficientes. [18] A etnia é ainda mais complicada pelo fato de que a minoria alemã na Prússia Real viveu sob o controle polonês durante este período. Originalmente, os artesãos poloneses da colônia foram proibidos de participar das eleições, mas depois que os artesãos se recusaram a trabalhar, a liderança colonial concordou em liberá-los. [19] Esses trabalhadores realizaram a primeira greve registrada na América Colonial pelo direito de voto nas eleições de 1619 da colônia.

William Volday / Wilhelm Waldi, um garimpeiro suíço-alemão, também estava entre os que chegaram em 1608. Sua missão era buscar um reservatório de prata que se acreditava estar nas proximidades de Jamestown. [20] Alguns dos colonos eram artesãos que construíram uma fornalha de vidro que se tornou a primeira protofábrica na América do Norte britânica. Outros artesãos produziram sabão, piche e materiais de construção de madeira. Entre todos eles foram os primeiros produtos feitos na América a serem exportados para a Europa. [21] No entanto, apesar de todos esses esforços, os lucros das exportações não foram suficientes para atender às despesas e expectativas dos investidores na Inglaterra, e nenhuma prata ou ouro foi descoberto, como anteriormente se esperava.

Função de Smith Editar

Nos meses antes de se tornar presidente da colônia por um ano em setembro de 1608, o capitão John Smith fez uma exploração considerável na baía de Chesapeake e ao longo de vários rios. A lenda atribui a ele o nome de Stingray Point (próximo à atual Deltaville, no condado de Middlesex) por um incidente ali. Smith estava sempre buscando um suprimento de comida para os colonos, e ele negociou com sucesso por comida com os índios Nansemond, que viviam ao longo do rio Nansemond na atual cidade de Suffolk, e vários outros grupos. No entanto, enquanto liderava uma expedição de coleta de alimentos em dezembro de 1607 (antes de seu mandato como presidente da colônia), desta vez no rio Chickahominy a oeste de Jamestown, seus homens foram atacados pelo Powhatan. Enquanto seu grupo estava sendo massacrado ao seu redor, Smith amarrou seu guia nativo na frente dele como um escudo e escapou com vida, mas foi capturado por Opechancanough, o meio-irmão do chefe Powhatan. Smith deu-lhe uma bússola que agradou ao guerreiro e o fez decidir deixar Smith viver.

Smith foi levado antes de Wahunsunacock, que era comumente referido como Chefe Powhatan, na sede do governo da Confederação de Powhatan em Werowocomoco, no rio York. No entanto, 17 anos depois, em 1624, Smith relatou pela primeira vez que quando o chefe decidiu executá-lo, este curso de ação foi interrompido pelos apelos da jovem filha do chefe Powhatan, Pocahontas, que originalmente se chamava "Matoaka", mas cujo apelido significava " Brincalhão ". Muitos historiadores hoje consideram esse relato duvidoso, especialmente porque foi omitido em todas as suas versões anteriores. Smith voltou a Jamestown bem a tempo para o First Supply, em janeiro de 1608.

Em setembro de 1609, Smith foi ferido em um acidente. Ele estava andando com sua arma no rio, e a pólvora estava em uma bolsa em seu cinto. Seu saco de pólvora explodiu. Em outubro, ele foi enviado de volta à Inglaterra para tratamento médico. Enquanto estava de volta à Inglaterra, Smith escreveu Uma verdadeira relação e Os Procedimentos da Colônia Inglesa da Virgínia sobre suas experiências em Jamestown. Esses livros, cuja exatidão foi questionada por alguns historiadores devido, em certa medida, à prosa arrogante de Smith, deveriam gerar interesse público e novos investimentos para a colônia.

Expectativas irrealistas da Virginia Company of London Editar

Os investidores da Virginia Company of London esperavam colher os frutos de seus investimentos especulativos. Com o Second Supply, eles expressaram suas frustrações e fizeram exigências aos líderes de Jamestown por escrito. Coube ao terceiro presidente do conselho dar uma resposta. Nessa época, Wingfield e Ratcliffe foram substituídos por John Smith. Sempre ousado, Smith deu o que deve ter sido um alerta para os investidores em Londres. No que foi denominado "Resposta Rude de Smith", ele compôs uma carta, escrevendo (em parte):

Quando você mandar de novo, eu imploro que você envie apenas trinta carpinteiros, lavradores, jardineiros, pescadores, ferreiros, pedreiros e escavadores de árvores, raízes, bem providos do que milhares de tais temores têm: a menos que possamos tanto hospedá-los e alimentá-los, a maioria irá consumir com a falta do necessário antes que eles possam servir para qualquer coisa. [6]

Smith começou sua carta com uma espécie de pedido de desculpas, dizendo "Eu humildemente imploro seus perdões se eu te ofendo com minha resposta rude.", [22] embora na época, a palavra 'rude' fosse reconhecida como significando 'inacabado' ou 'rural', da mesma forma que o inglês moderno usa 'rústico'. Existem fortes indícios de que aqueles em Londres compreenderam e abraçaram a mensagem de Smith. A terceira missão de abastecimento era de longe a maior e mais bem equipada. Eles até mandaram construir uma nova nau capitânia especialmente construída, Sea Venture, colocado nas mãos mais experientes, Christopher Newport. Com uma frota de nada menos que oito navios, o Terceiro Suprimento, liderado por Sea Venture, deixou Plymouth em junho de 1609.

Sobre o assunto da Virginia Company, é notável que, ao longo de sua existência, Sir Edwin Sandys foi uma força de liderança. Ele, é claro, também esperava lucros, mas também seus objetivos incluíam uma colônia permanente que aumentaria o território inglês, aliviaria a superpopulação da nação e expandiria o mercado de produtos ingleses. Ele é intimamente identificado com uma facção da empresa liderada por Henry Wriothesley, 3º Conde de Southampton. Embora os lucros tenham se mostrado ilusórios para seus investidores, as visões da Colônia de Sir Edwin Sandys e do Conde de Southampton acabaram se concretizando.

Pocahontas Editar

Fredericksburg, cerca de 65 milhas (105 km) de Werowocomoco. Ela foi sequestrada por ingleses cujo líder era Samuel Argall e transportada cerca de 90 milhas (140 km) ao sul para o assentamento inglês em Henricus no rio James. Lá, Pocahontas se converteu ao cristianismo e adotou o nome de "Rebecca" sob a tutela do reverendo Alexander Whitaker que havia chegado a Jamestown em 1611. Ela se casou com o proeminente fazendeiro John Rolfe, que havia perdido sua primeira esposa e filho na viagem da Inglaterra vários anos anteriormente, que serviu para melhorar muito as relações entre os nativos americanos da Virgínia e os colonos por vários anos. No entanto, quando ela e John Rolfe levaram seu filho Thomas Rolfe em uma viagem de relações públicas à Inglaterra para ajudar a arrecadar mais dinheiro para investir na Virginia Company, ela adoeceu e morreu quando eles estavam voltando para a Virgínia. Seu enterro foi na Igreja de St George em Gravesend.

O que ficou conhecido como "Tempo de fome" na Colônia da Virgínia ocorreu durante o inverno de 1609–10, quando apenas 60 dos 500 colonos ingleses sobreviveram. [23] [24] [25] Os colonos, o primeiro grupo dos quais havia chegado originalmente a Jamestown em 14 de maio de 1607, nunca planejaram cultivar todos os seus próprios alimentos. Em vez disso, seus planos também dependiam do comércio com os índios locais da Virgínia para fornecer-lhes comida suficiente entre a chegada dos navios de abastecimento periódicos da Inglaterra, dos quais também dependiam. Este período de extrema dificuldade para os colonos começou em 1609 com uma seca que fez com que suas já limitadas atividades agrícolas produzissem menos safras do que o normal. Então, houve problemas com as duas outras fontes de alimento.

Um atraso inesperado ocorreu durante a missão Terceiro Abastecimento da Virginia Company of London na Inglaterra devido a um grande furacão no Oceano Atlântico. Grande parte da comida e suprimentos estava a bordo da nova nau capitânia da Virginia Company, Sea Venture, que naufragou nas Bermudas e se separou dos outros navios, sete dos quais chegaram à colônia com ainda mais novos colonos para alimentar e poucos suprimentos, a maioria dos quais estavam a bordo da nau capitânia maior.

As dificuldades iminentes foram agravadas pela perda de seu líder mais habilidoso em lidar com a Confederação Powhatan no comércio de alimentos: o Capitão John Smith. Ele ficou ferido em agosto de 1609 em um acidente de pólvora e foi forçado a retornar à Inglaterra para receber cuidados médicos em outubro de 1609. Depois que Smith saiu, o chefe Powhatan restringiu severamente o comércio de alimentos com os colonos. Em vez disso, os Powhatans usaram a perspectiva de negociar milho para trair uma expedição liderada pelo sucessor de John Smith, John Ratcliffe. [26] Ratcliffe was lured by the prospect of food, but was kidnapped, tortured, and murdered by the Powhatans. [27] Neither the missing Sea Venture nor any other supply ship arrived as winter set upon the inhabitants of the young colony in late 1609.

Third supply Edit

Sea Venture was the new flagship of the Virginia Company. Leaving England in 1609, and leading this Third Supply to Jamestown as "Vice Admiral" and commanding Sea Venture, Christopher Newport was in charge of a nine-vessel fleet. Aboard the flagship Sea Venture was the Admiral of the company, Sir George Somers, Lieutenant-General Sir Thomas Gates, William Strachey and other notable personages in the early history of English colonization in North America.

While at sea, the fleet encountered a strong storm, perhaps a hurricane, which lasted for three days. Sea Venture and one other ship were separated from the seven other vessels of the fleet. Sea Venture was deliberately driven onto the reefs of Bermuda to prevent her sinking. The 150 passengers and crew members were all landed safely but the ship was now permanently damaged. [28] Sea Venture's longboat was later fitted with a mast and sent to find Virginia but it and its crew were never seen again. The remaining survivors spent nine months on Bermuda building two smaller ships, Deliverance e Patience, from Bermuda cedar and materials salvaged from Sea Venture.

The survivors of the shipwreck of the Third Supply mission's flagship Sea Venture finally arrived at Jamestown the following May 23 in two makeshift ships they had constructed while stranded on Bermuda for nine months. They found the Virginia Colony in ruins and practically abandoned: of 500 settlers who had preceded them to Jamestown, they found fewer than 100 survivors, many of whom were sick or dying. Worse yet, the Bermuda survivors had brought few supplies and only a small amount of food with them, expecting to find a thriving colony at Jamestown.

Thus, even with the arrival of the two small ships from Bermuda under Captain Christopher Newport, they were faced with leaving Jamestown and returning to England. On June 7, 1610, having abandoned the fort and many of their possessions, both groups of survivors (from Jamestown and Bermuda) boarded ships, and they all set sail down the James River toward the Chesapeake Bay and the Atlantic Ocean.

Lord De La Warr Edit

During the same period that Sea Venture suffered its misfortune and its survivors were struggling in Bermuda to continue on to Virginia, back in England, the publication of Captain John Smith's books of his adventures in Virginia sparked a resurgence in interest in the colony. This helped lead to the dispatch in early 1610 of additional colonists, more supplies, and a new governor, Thomas West, Baron De La Warr. Fortuitously, on June 9, 1610, De La Warr arrived on the James River just as the settlers had abandoned Jamestown. Intercepting them about 10 miles (16 km) downstream from Jamestown near Mulberry Island (adjacent to present-day Fort Eustis in Newport News), the new governor forced the remaining 90 settlers to return. Deliverance e Patience turned back, and all the settlers were landed again at Jamestown. [29]

With the new supply mission, the new governor brought additional colonists, a doctor, food, and much-needed supplies. He also was of a strong determination that Jamestown and the colony were not to be abandoned. He turned the departing ships around and brought the entire group back to Jamestown. This was certainly not a popular decision at the time with at least some of the group, but Lord Delaware was to prove a new kind of leader for Virginia. Included in those returning to Jamestown was a colonist John Rolfe, whose wife and child had died during the shipwreck of the Sea Venture and the time at Bermuda. A businessman, he had with him some seeds for a new strain of tobacco and also some untried marketing ideas.

Then, Sir George Somers returned to Bermuda with Patience to obtain more food supplies, but he died on the island that summer. His nephew, Matthew Somers, Captain of Patience, took the ship back to Lyme Regis, England instead of Virginia (leaving a third man behind). o Third Charter of the Virginia Company was then extended far enough across the Atlantic to include Bermuda in 1612. (Although a separate company, the Somers Isles Company, would be spun off to administer Bermuda from 1615, the first two successful English colonies would retain close ties for many more generations, as was demonstrated when Virginian general George Washington called upon the people of Bermuda for aid during the American War of Independence). In 1613, Sir Thomas Dale founded the settlement of Bermuda Hundred on the James River, which, a year later, became the first incorporated town in Virginia.

By 1611, a majority of the colonists who had arrived at the Jamestown settlement had died, and its economic value was negligible with no active exports to England and very little internal economic activity. Only financial incentives to investors financing the new colony, including a promise of more land to the west from King James I, kept the project afloat.

First Anglo-Powhatan War Edit

The Anglo-Powhatan Wars were three wars fought between English settlers of the Virginia Colony, and Indians of the Powhatan Confederacy in the early seventeenth century. The First War started in 1610, and ended in a peace settlement in 1614.

Tobacco Edit

In 1610, John Rolfe, whose wife and a child had died in Bermuda during passage in the Third Supply to Virginia, was just one of the settlers who had arrived in Jamestown following the shipwreck of Sea Venture. However, his major contribution is that he was the first man to successfully raise export tobacco in the Colony (although the colonists had begun to make glass artifacts to export immediately after their arrival). The native tobacco raised in Virginia prior to that time, Nicotiana rustica, was not to the liking of the Europeans but Rolfe had brought some seed for Nicotiana tabacum with him from Bermuda.

Although most people "wouldn't touch" the crop, Rolfe was able to make his fortune farming it, successfully exporting beginning in 1612. Soon almost all other colonists followed suit, as windfall profits in tobacco briefly lent Jamestown something like a gold rush atmosphere. Among others, Rolfe quickly became both a wealthy and prominent man. He married the young Virginia Indian woman Pocahontas on April 24, 1614. They lived first across the river from Jamestown, and later at his Varina Farms plantation near Henricus. Their son, Thomas Rolfe, was born in 1615.

Governor Dale, Dale's Code Edit

In 1611, the Virginia Company of London sent Sir Thomas Dale to act as deputy-governor or as high marshall for the Virginia Colony under the authority of Thomas West (Lord Delaware). He arrived at Jamestown on May 19 with three ships, additional men, cattle, and provisions. Finding the conditions unhealthy and greatly in need of improvement, he immediately called for a meeting of the Jamestown Council, and established crews to rebuild Jamestown.

He served as Governor for 3 months in 1611, and again for a two-year period between 1614 and 1616. It was during his administration that the first code of laws of Virginia, nominally in force from 1611 to 1619, was effectively tested. This code, entitled "Articles, Lawes, and Orders Divine, Politique, and Martiall" (popularly known as Dale's Code), was notable for its pitiless severity, and seems to have been prepared in large part by Dale himself.

Henricus Edit

Seeking a better site than Jamestown with the thought of possibly relocating the capital, Thomas Dale sailed up the James River (also named after King James) to the area now known as Chesterfield County. He was apparently impressed with the possibilities of the general area where the Appomattox River joins the James River, until then occupied by the Appomattoc Indians, and there are published references to the name "New Bermudas" although it apparently was never formalized. A short distance further up the James, in 1611, he began the construction of a progressive development at Henricus on and about what was later known as Farrars Island. Henricus was envisioned as possible replacement capital for Jamestown, though it was eventually destroyed during the Indian Massacre of 1622, during which a third of the colonists were killed.

An investor relations trip to England Edit

In 1616, Governor Dale joined John Rolfe and Pocahontas and their young son Thomas as they left their Varina Farms plantation for a public relations mission to England, where Pocahontas was received and treated as a form of visiting royalty by Queen Anne. This stimulated more interest in investments in the Virginia Company, the desired effect. However, as the couple prepared to return to Virginia, Pocahontas died of an illness at Gravesend on March 17, 1617, where she was buried. John Rolfe returned to Virginia alone once again, leaving their son Thomas Rolfe, then a small child, in England to obtain an education. Once back in Virginia, Rolfe married Jane Pierce and continued to improve the quality of his tobacco with the result that by the time of his death in 1622, the Colony was thriving as a producer of tobacco. Orphaned by the age of 8, young Thomas later returned to Virginia, and settled across the James River not far from his parents' farm at Varina, where he married Jane Poythress and they had one daughter, Jane Rolfe, who was born in 1650. Many of the First Families of Virginia trace their lineage through Thomas Rolfe to both Pocahontas and John Rolfe, joining English and Virginia Indian heritage.

Virginia's population grew rapidly from 1618 until 1622, rising from a few hundred to nearly 1,400 people. Wheat was also grown in Virginia starting in 1618.

1619: First representative assembly Edit

The General Assembly, the first elected representative legislature in the New World, met in the choir of the Jamestown Church from July 30 to August 4, 1619. This legislative body continues as today's Virginia General Assembly. [30]

1619: First Africans Edit

In August 1619, "20 and odd Negroes" arrived on the Dutch Man-of-War ship at Point Comfort, several miles south of the Jamestown colony. This is the earliest record of Africans in colonial America. [31] These colonists were freemen and indentured servants. [32] [33] [34] [35] At this time the slave trade between Africa and the English colonies had not yet been established.

Records from 1623 and 1624 listed the African inhabitants of the colony as servants, not slaves. In the case of William Tucker, the first Black person born in the colonies, freedom was his birthright. [36] He was son of "Antony and Isabell", a married couple from Angola who worked as indentured servants for Captain William Tucker whom he was named after. Yet, court records show that at least one African had been declared a slave by 1640 John Punch. He was an indentured servant who ran away along with two White indentured servants and he was sentenced by the governing council to lifelong servitude. This action is what officially marked the institution of slavery in Jamestown and the future United States.

1620: More craftsmen from Germany, Italy and Poland arrive Edit

By 1620, more German settlers from Hamburg, Germany, who were recruited by the Virginia Company set up and operated one of the first sawmills in the region. [37] Among the Germans were several other skilled craftsmen carpenters, and pitch/tar/soap-ash makers, who produced some of the colony's first exports of these products. The Italians included a team of glass makers. [38]

On June 30, 1619 Slovak and Polish artisans conducted the first labor strike (first "in American history" [39] [19] ) for democratic rights ("No Vote, No Work") [39] [40] in Jamestown. [40] [41] [42] [43] and granted the workers equal voting rights on July 21, 1619. [44] Afterwards, the labor strike was ended and the artisans resumed their work. [41] [42] [45] [46]

1621: Arrival of marriageable women Edit

During 1621 fifty-seven unmarried women sailed to Virginia under the auspices of the Virginia Company, who paid for their transport and provided them with a small bundle of clothing and other goods to take with them. A colonist who married one of the women would be responsible for repaying the Virginia Company for his wife's transport and provisions. The women traveled on three ships, The Marmaduke, The Warwick, e The Tyger.

Many of the women were not "maids" but widows. Some others were children, for example Priscilla, the eleven-year-old daughter of Joan and Thomas Palmer on the Tyger. Some were women who were traveling with family or relatives: Ursula Clawson, "kinswoman" of ancient planter Richard Pace, traveled with Pace and his wife on the Marmaduke. There were a total of twelve unmarried women on the Marmaduke, one of whom was Ann Jackson, daughter of William Jackson of London. She joined her brother John Jackson who was already in Virginia, living at Martin's Hundred. Ann was one of nineteen women kidnapped by the Powhatans during the Indian Massacre of 1622 and was not returned until 1628, when the Council ordered her brother John to keep Ann in safety until she returned to England on the first available ship. [47]

Some of the women sent to Virginia did marry. Most disappeared from the records—perhaps killed in the massacre, perhaps dead from other causes, perhaps returned to England. In other words, they shared the fate of most of their fellow colonists. [48]

The relations with the natives took a turn for the worse after the death of Pocahontas in England and the return of John Rolfe and other colonial leaders in May 1617. Disease, poor harvests and the growing demand for tobacco lands caused hostilities to escalate. After Wahunsunacock's death in 1618, his younger brother, Opitchapam, briefly became chief. However, he was soon succeeded by his own younger brother, Opechancanough. Opechancanough was not interested in attempting peaceful coexistence with the English settlers. Instead, he was determined to eradicate the colonists from what he considered to be Indian lands. As a result, another war between the two powers lasted from 1622 to 1632.

Chief Opechancanough organized and led a well-coordinated series of surprise attacks on multiple English settlements along both sides of a 50-mile (80 km) long stretch of the James River which took place early on the morning of March 22, 1622. This event came to be known as the Indian Massacre of 1622, and resulted in the deaths of 347 colonists (including men, women, and children) and the abduction of many others. Some say that this massacre was revenge. [ citação necessária ] The Massacre caught most of the Virginia Colony by surprise and virtually wiped out several entire communities, including Henricus and Wolstenholme Town at Martin's Hundred. A letter by Richard Frethorne, written in 1623, reports, "we live in fear of the enemy every hour." [49]

However, Jamestown was spared from destruction due to a Virginia Indian boy named Chanco who, after learning of the planned attacks from his brother, gave warning to colonist Richard Pace, with whom he lived. Pace, after securing himself and his neighbors on the south side of the James River, took a canoe across river to warn Jamestown, which narrowly escaped destruction, although there was no time to warn the other settlements. Apparently, Opechancanough subsequently was unaware of Chanco's actions, as the young man continued to serve as his courier for some time after.

Some historians have noted that, as the settlers of the Virginia Colony were allowed some representative government, and they prospered, King James I was reluctant to lose either power or future financial potential. In any case, in 1624, the Virginia Company lost its charter and Virginia became a crown colony. In 1634, the English Crown created eight shires (i.e. counties) in the colony of Virginia which had a total population of approximately 5,000 inhabitants. James City Shire was established and included Jamestown. Around 1642–43, the name of the James City Shire was changed to James City County.

New Town and palisade Edit

The original Jamestown fort seems to have existed into the middle of the 1620s, but as Jamestown grew into a "New Town" to the east, written references to the original fort disappear. By 1634, a palisade (stockade) was completed across the Virginia Peninsula, which was about 6 miles (9.7 km) wide at that point between Queen's Creek which fed into the York River and Archer's Hope Creek, (since renamed College Creek) which fed into the James River. The new palisade provided some security from attacks by the Virginia Indians for colonists farming and fishing lower on the Peninsula from that point.

Third Anglo-Powhatan War Edit

On April 18, 1644, Opechancanough again tried to force the colonists to abandon the region with another series of coordinated attacks, killing almost 500 colonists. However, this was a much less devastating portion of the growing population than had been the case in the 1622 attacks. Furthermore, the forces of Royal Governor of Virginia William Berkeley captured the old warrior in 1646, [50] variously thought to be between 90 and 100 years old. In October, while a prisoner, Opechancanough was killed by a soldier (shot in the back) assigned to guard him. Opechancanough was succeeded as Weroance (Chief) by Nectowance and then by Totopotomoi and later by his daughter Cockacoeske.

In 1646, the first treaties were signed between the Virginia Indians and the English. The treaties set up reservations, some of the oldest in America, for the surviving Powhatan. It also set up tribute payments for the Virginia Indians to be made yearly to the English. [51] That war resulted in a boundary being defined between the Indians and English lands that could only be crossed for official business with a special pass. This situation would last until 1677 and the Treaty of Middle Plantation, which established Indian reservations following Bacon's Rebellion.

Governor Berkeley, Bacon's Rebellion Edit

Rebelião de Bacon was an armed rebellion in 1676 by Virginia settlers led by Nathaniel Bacon against the rule of Governor William Berkeley. In the 1670s, the governor was serving his second term in that office. Berkeley, now in his seventies, had previously been governor in the 1640s and had experimented with new export crops at his Green Spring Plantation near Jamestown. In the mid-1670s, a young cousin through marriage, Nathaniel Bacon, Jr., arrived in Virginia sent by his father in the hope that he would "mature" under the tutelage of the governor. Although lazy, Bacon was intelligent, and Berkeley provided him with a land grant and a seat on the Virginia Colony council. However, the two became at odds over relationships with the Virginia Indians, which were most strained at the outer frontier points of the colony.

In July 1675, Doeg Indians crossed from Maryland and raided the plantation of Thomas Mathews in the northern portion of the colony along what became the Potomac River, stealing some hogs in order to gain payment for several items Mathews had obtained from the tribe. Mathews pursued them and killed several Doegs, who retaliated by killing Mathews' son and two of his servants, including Robert Hen. A Virginian militia then went to Maryland and besieged the Susquehanaugs (a different tribe) in "retaliation" which led to even more large-scale Indian raids, and a protest from the governor of Maryland colony. Governor Berkeley tried to calm the situation but many of the colonists, particularly the frontiersmen, refused to listen to him and Bacon disregarded a direct order and captured some Appomattoc Indians, who were located many miles south of the site of the initial incident, and almost certainly not involved.

Following the establishment of the Long Assembly in 1676, war was declared on "all hostile Indians" and trade with Indian tribes became regulated, often seen by the colonists to favor friends of Berkeley. Bacon opposed Berkeley and led a group in opposition to the governor. Bacon and his troops set themselves up at Henrico until Berkeley arrived which sent Bacon and his men fleeing upon which Berkeley declared them in rebellion and offered a pardon to any who returned to Jamestown peaceably.

Bacon led numerous raids on Indians friendly to the colonists in an attempt to bring down Berkeley. The governor offered him amnesty but the House of Burgesses refused insisting that Bacon must acknowledge his mistakes. At about the same time, Bacon was actually elected to the House of Burgesses and attended the June 1676 assembly where he was captured, forced to apologize and was then pardoned by Berkeley.

Bacon then demanded a military commission but Berkeley refused. Bacon and his supporters surrounded the statehouse and threatened to start shooting the Burgesses if Berkeley did not acknowledge Bacon as "General of all forces against the Indians". Berkeley eventually acceded, and then left Jamestown. He attempted a coup a month later but was unsuccessful. In September, however, Berkeley was successful and occupied Jamestown. Bacon's forces soon arrived and dug in for a siege, which resulted in Bacon's capturing and burning Jamestown to the ground on September 19, 1676. [52] Bacon died of the flux and lice on October 26, 1676 and his body is believed to have been burned.

Berkeley returned, and hanged William Drummond and the other major leaders of the rebellion (23 in total) at Middle Plantation. With Jamestown unusable due to the burning by Bacon, the Governor convened a session of the General Assembly at his Green Spring Plantation in February, 1677, and another was later held at Middle Plantation. However, upon learning of his actions, King Charles II was reportedly displeased at the degree of retaliation and number of executions, and recalled Berkeley to England. He returned to London where he died in July 1677.

Despite the periodic need to relocate the legislature from Jamestown due to contingencies such as fires, (usually to Middle Plantation), throughout the seventeenth century, Virginians had been reluctant to permanently move the capital from its "ancient and accustomed place." After all, Jamestown had always been Virginia's capital. It had a state house (except when it periodically burned) and a church, and it offered easy access to ships that came up the James River bringing goods from England and taking on tobacco bound for market. [53] However, Jamestown's status had been in some decline. In 1662, Jamestown's status as mandatory port of entry for Virginia had been ended.

On October 20, 1698, the statehouse (capitol building) in Jamestown burned for the fourth time. Once again removing itself to a familiar alternate location, the legislature met at Middle Plantation, this time in the new College Building at the College of William and Mary, which had begun meeting there in temporary quarters in 1694. While meeting there, a group of five students from the college submitted a well-presented and logical proposal to the legislators outlining a plan and good reasons to move the capital permanently to Middle Plantation. The students argued that the change to the high ground at Middle Plantation would escape the dreaded malaria and mosquitoes that had always plagued the swampy, low-lying Jamestown site. The students pointed out that, while not located immediately upon a river, Middle Plantation offered nearby access to not one, but dois rivers, via two deep water (6-7' depth) creeks, Queen's Creek leading to the York River, and College Creek (formerly known as Archer's Hope) which led to the James River.

Several prominent individuals like John Page, Thomas Ludwell, Philip Ludwell, and Otho Thorpe had built fine brick homes and created a substantial town at Middle Plantation. And, there was of course, the new College of William and Mary with its fine new brick building. Other advocates of the move included the Reverend Dr. James Blair and the Governor, Sir Francis Nicholson. The proposal to move the capital of Virginia to higher ground (about 12 miles (20 km) away) at Middle Plantation was received favorably by the House of Burgesses. In 1699, the capital of the Virginia Colony was officially relocated there. Soon, the town was renamed Williamsburg, in honor of King William III. Thus, the first phase of Jamestown's history ended.

By the 1750s the land was owned and heavily cultivated, primarily by the Travis and Ambler families. A military post was located on the island during the American Revolutionary War and American and British prisoners were exchanged there. During the American Civil War the island was occupied by Confederate soldiers who built an earth fort near the church as part of the defense system to block the Union advance up the river to Richmond. Little further attention was paid to Virginia until preservation was undertaken in the twenty first century.


Jamestown Activities

I always get so excited to learn alongside my kids! This history unit is filled with Jamestown colony activities that will make the colonial America time period come alive for kids! This is the first less on our Colonial America for kids study.

Colonial Food

To explore what it was like to live in the Jamestown Settlement we ate gruel for breakfast. It is pretty much flavored water. We learned that the colonists in early Jamestown were mainly ‘gentlemen’ and they didn’t want to plant crops or work. Many starved. The only food they had to eat was what they could grow in their garden or hunt. The kids decided Colonial food wasn’t that great.


Virginia Company

England was a relatively poor nation in the late 1500s, with a ruler willing to send privateers against other colonial powers but unwilling to risk public monies on a standing English colony. Queen Elizabeth I gave blessing to Sir Walter Raleigh’s personal funding of the Roanoke colony, but it failed.

The answer was a joint-stock venture, an early version of today’s corporations. Wealthy London gentlemen would buy a share in The Virginia Company, thus giving it the capital monies to start and supply a colony, and they hoped the colony returned a profit to them. King James I granted the Virginia Company a royal charter for the colonial pursuit in 1606. The Company had the power to appoint a Council of leaders in the colony, a Governor, and other officials. It also took the responsibility to continually provide settlers, supplies, and ships for the venture. The Company’s plan was to identify profitable raw materials such as gold and silver in Virginia to repay the investors back in England. The first settlers included artisans, craftsmen, and laborers alongside the gentlemen leaders.

The initial public reaction to the Company was favorable, but as the mortality rate at Jamestown rose and the prospect for profit grew dim, financial support for it waned. The leadership resorted to lotteries and went so far as to attempt silkworm production at Jamestown. As industries failed, the promoters of the Company argued that converting the Virginia Indians to Christianity was a worthy goal for the venture. Tobacco cultivation finally provided a profitable return, but it came too little too late to save the Virginia Company. After the Indian Massacre of 1622 killed hundreds of settlers, the king revoked the Company’s charter in 1624 and made Virginia a royal colony under his control.

Archaeological excavations at James Fort have shown how closely the colony followed the Company’s directives. Instructions in late 1606 from the Virginia Company stressed “above all things” the need to hide the numbers of English sick and deceased to prevent the Virginia Indians from seizing upon the colony’s weakness. Archaeologists uncovered a large English burial ground inside the crowded confines of the fort walls.


Assista o vídeo: CANNIBALISM at Jamestown: The Starving Time