10 coisas que você talvez não saiba sobre Lyndon B. Johnson

10 coisas que você talvez não saiba sobre Lyndon B. Johnson


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

1. Ele começou sua carreira como professor.

Johnson nasceu em 1908 em Stonewall, Texas, como o mais velho de cinco irmãos. Embora seu pai tivesse servido na legislatura estadual, ele havia perdido dinheiro na especulação com o algodão, e a família muitas vezes lutava para sobreviver. O jovem Johnson se afastou por alguns anos após o colegial, mas se matriculou no Southwest Texas State Teachers College em 1927. Durante seu tempo lá, ele ensinou em uma escola predominantemente mexicana-americana na cidade de Cotulla, no sul do Texas, onde era conhecido por sua energia, dedicação e incentivo de seus alunos carentes. Embora Johnson logo voltasse sua atenção para a política, indo para Washington como assessor do Congresso em 1931, sua experiência como professor deixou uma impressão duradoura.

2. Na corrida de 1948 para o Senado dos EUA, Johnson venceu as primárias democratas do Texas por apenas 87 votos, de cerca de 988.000 votos expressos.

Johnson trabalhou duro e subiu rapidamente, ganhando uma eleição especial para a Câmara dos Representantes dos EUA em 1937, quando um congressista de seu distrito morreu no cargo. Em 1941, ele concorreu ao Senado dos EUA em outra eleição especial, mas perdeu. Ele tentou novamente em 1948, enfrentando o popular governador do Texas, Coke Stevenson, nas primárias democratas. (Na época, havia tão poucos republicanos no Texas que vencer as primárias basicamente significava ser eleito.) Em uma disputa repleta de fraudes eleitorais de ambos os lados, Johnson venceu por uma margem estreita, ganhando o apelido zombeteiro de “Landslide Lyndon. ”

3. A carreira de Johnson decolou no Senado, mas ele quase morreu no processo.

Em 1943, Johnson se tornou o líder da minoria no Senado, e depois que os democratas recuperaram o controle do Senado dois anos depois, ele se tornou o líder da maioria. Johnson se destacou em formar os democratas do Senado em um bloco unido, ao mesmo tempo em que encantou, lisonjeou e convenceu colegas de ambos os lados do corredor. Em meados de 1955, o homem de 49 anos sofreu um grave ataque cardíaco; ele mais tarde o descreveu como "o pior que um homem poderia ter e ainda viver". Após a recuperação, ele parou de fumar, perdeu peso e aprendeu a delegar algumas responsabilidades, mas continuou na busca incansável de suas agendas, incluindo os direitos civis e o programa espacial dos EUA.

4. Ele era um estranho na Casa Branca Kennedy.

Depois de perder uma dura luta nas primárias em 1960, Johnson chocou quase todo mundo ao se tornar companheiro de chapa do senador John F. Kennedy, de Massachusetts. Como um sulista protestante e um insider consumado no Congresso, Johnson equilibrou a chapa, ajudando Kennedy a capturar o Texas, Louisiana e as Carolinas em sua derrota por pouco de Richard Nixon. Mas a influência de Johnson foi limitada como vice-presidente, já que os conselheiros de Kennedy (especialmente seu irmão e procurador-geral Robert Kennedy) fizeram questão de mantê-lo à margem. Durante a crise dos mísseis cubanos, por exemplo, Johnson foi membro do grupo convocado para aconselhar o presidente, mas foi excluído da reunião em que foi tomada a decisão final sobre a resposta americana.

5. O desafio de Johnson - assumir o cargo de presidente e concorrer à reeleição no mesmo ano - não teve precedentes na história dos Estados Unidos.

Tudo mudou em 22 de novembro de 1963, quando Kennedy foi assassinado em Dallas. Embora sete transições presidenciais dos EUA tenham ocorrido devido à morte, e não à eleição, incluindo três assassinatos, nenhum presidente havia morrido tão tarde em seu mandato. Quando o Força Aérea Um pousou em Washington naquela noite (Johnson tinha jurado a bordo), o novo presidente fez um breve discurso, dizendo “Farei o meu melhor - isso é tudo que posso fazer”. Nos dias que se seguiram, Johnson trabalhou para acalmar a histeria nacional e assumiu o controle firme do governo, mesmo mantendo o gabinete e os principais assessores de Kennedy para dar continuidade.

6. Em poucos meses, ele conseguiu superar um impasse no Congresso, começando pelos direitos civis.

Em 27 de novembro de 1963, Lyndon B. Johnson discursou em uma sessão conjunta do Congresso, conclamando-os a homenagear a memória do martirizado Kennedy aprovando o grande projeto de lei dos direitos civis que estava atualmente bloqueado nos comitês do Congresso. Enquanto preparava seu discurso, os assessores de Johnson o avisaram que o projeto era provavelmente uma causa perdida, e persegui-lo prejudicaria suas chances na próxima eleição, menos de um ano depois. A resposta simples de Johnson - “Bem, para que diabos é a presidência?” - seria uma das citações mais famosas de sua carreira.

7. Johnson foi um defensor improvável dos direitos civis - quem assinou a legislação de direitos civis mais abrangente desde a Reconstrução.

Apenas sete meses após discursar no Congresso, Johnson assinaria a Lei dos Direitos Civis de 1964, que proibia a discriminação com base em raça, cor, religião, sexo ou origem nacional, bania a segregação e previa a integração de escolas e outros estabelecimentos públicos. O fato de Johnson ter sido o presidente a aprovar um projeto de lei histórico parecia irônico: como congressista, ele votou contra todos os projetos de lei de direitos civis que chegaram ao plenário entre 1937 e 1956. Johnson reverteu esse recorde com um estrondo em 1957, avançando o primeiro projeto de lei de direitos civis a ser aprovado no Congresso desde 1875. Ele aprovou outro em 1960, mas os dois projetos eram relativamente fracos em comparação com os poderes de longo alcance da lei de 1964. Ainda mais paradoxalmente, como um homem sulista de seu tempo, Johnson usou uma linguagem racista - mesmo quando ele quebrou as leis de Jim Crow em todo o sul.

8. Em janeiro de 1964, ele declarou guerra à pobreza.

Em seu primeiro discurso sobre o Estado da União, Johnson declarou uma “guerra incondicional” contra a pobreza nos Estados Unidos, anunciando que “Nosso objetivo não é apenas aliviar os sintomas da pobreza, mas curá-la e, acima de tudo, evitá-la . ” Ele liderou a legislação criando o Medicare e o Medicaid, expandindo a Previdência Social, tornando o programa de vale-refeição permanente e estabelecendo o Job Corps, o programa VISTA, o programa federal de trabalho e estudo, o programa Head Start e os subsídios Título I para distritos escolares pobres. Embora a guerra contra a pobreza ainda esteja longe de ser vencida, os programas implementados como parte da "Grande Sociedade" de Johnson tiveram sucesso na redução das dificuldades econômicas para milhões de americanos, e muitos ainda estão em vigor hoje.

9. A esposa de Johnson, Lady Bird, foi a chave para seu sucesso.

Claudia Alta Taylor, conhecida como Lady Bird desde a infância, casou-se com Johnson logo depois de se formar na Universidade do Texas em Austin, onde estudou história e jornalismo. Ela se tornou um trunfo inegável para sua carreira política em ascensão, principalmente por causa de sua considerável fortuna familiar. Em 1960, Lady Bird Johnson viajou cerca de 30.000 milhas na campanha eleitoral, e Bobby Kennedy iria creditar a ela a vitória no Texas para a chapa democrata. Quatro anos depois, depois que seu marido irritou os eleitores do sul ao assinar a Lei dos Direitos Civis, ela conquistou muitos deles com um passeio de trem especial, apelidado de “Especial Lady Bird”. (Johnson acabou derrotando seu rival republicano, Barry Goldwater, por uma das maiores margens da história.) Como primeira-dama, Lady Bird defendeu o programa de educação Head Start, bem como uma iniciativa ambiental voltada para o "embelezamento" das rodovias, bairros e parques.

10. A guerra no Vietnã levou Johnson à depressão e levou a um fim indistinto de sua presidência.

Apesar de suas realizações consideráveis ​​na arena doméstica, a presidência de Johnson foi inegavelmente prejudicada pela Guerra do Vietnã. Apesar das promessas de campanha de não ampliar o envolvimento dos EUA no conflito, que havia começado durante a administração do presidente Dwight D. Eisenhower e se intensificado sob Kennedy, Johnson aumentou enormemente o número de tropas dos EUA no Vietnã e expandiu sua missão. Em 1967, a popularidade de Johnson despencou, enquanto o enorme custo da guerra ameaçava seus programas da Grande Sociedade e estimulava a inflação. Com manifestantes de estudantes em todo o país gritando coisas como "Ei, ei, LBJ, quantas crianças você matou hoje?" Johnson foi atormentado por dúvidas sobre a guerra e, segundo relatos, caiu em uma depressão prolongada. Em março de 1968, ele anunciou que não se candidataria à reeleição. Depois que seu vice-presidente, Hubert Humphrey, perdeu uma disputa acirrada para Richard Nixon, Johnson retirou-se para seu amado rancho no Texas em 1969. Naquela época, cerca de 30.000 soldados americanos haviam sido mortos no Vietnã. Johnson não viveria para ver o fim oficial desse conflito: ele morreu em janeiro de 1973, após sofrer outro ataque cardíaco.

Acesse centenas de horas de vídeo histórico, sem comerciais, com o HISTORY Vault. Comece seu teste gratuito hoje.


8 fatos que você talvez não conheça sobre a Casa Branca, residência do presidente dos EUA

Quanto você sabe sobre a história da Casa Branca em Washington DC, que abrigou todos os presidentes dos EUA desde John Adams em 1800 (incluindo o atual presidente, Donald Trump)? Escrevendo para HistoryExtraA historiadora da Casa Branca Lindsay M Chervinsky compartilha oito fatos surpreendentes sobre o famoso edifício - desde como foi construído por trabalhadores escravos até o ano em que pegou fogo ...

Esta competição está encerrada

Publicado: 27 de novembro de 2019 às 15h39

Quando e como a Casa Branca foi construída? Quantas salas contém? E como fica tão branco? Aqui está tudo o que você precisa saber sobre a casa do presidente dos EUA ...

Trabalhadores escravizados ajudaram a construir a Casa Branca

Em 1792, os trabalhos começaram na casa do novo presidente em Washington, DC (eventualmente rebatizada de Casa Branca), em um local selecionado pelo primeiro presidente dos Estados Unidos, George Washington. Nos oito anos seguintes, uma mistura de afro-americanos livres e trabalhadores assalariados brancos, escravos e artesãos qualificados construíram a Casa Branca. Eles trabalharam em uma variedade de cargos, incluindo trabalhadores básicos, supervisores, serradores, carpinteiros, pedreiros e pedreiros.

Alguns dos trabalhadores escravizados pertenciam aos comissários da cidade encarregados de supervisionar o projeto ou James Hoban, o arquiteto. A grande maioria, no entanto, foi contratada de seus proprietários em Washington, DC, Virgínia e Maryland, que embolsaram os salários dos escravos. As equipes de construção eram frequentemente transportadas de um lado para o outro entre a Casa Branca e os locais de construção do Capitólio, dependendo de qual local precisava de mão de obra ou tinha materiais disponíveis em determinado momento.

A Casa Branca foi incendiada pelas Forças Britânicas

Em agosto de 1814, as forças britânicas marcharam para Washington, DC e queimaram todos os prédios públicos em retaliação pela destruição de York [hoje Toronto], Canadá, no ano anterior. Depois de desfrutar de uma refeição generosa servida pela primeira-dama Dolley Madison, as forças britânicas incendiaram a Casa Branca.

A lenda urbana sugere que uma tempestade de chuva chegou e salvou a Casa Branca. A verdade, porém, é que a chuva piorou os estragos. Embora o clima úmido tenha evitado que os prédios ao redor pegassem fogo, quase destruiu as paredes da Casa Branca. As paredes de pedra estavam incrivelmente quentes com o fogo e a chuva fria as fez encolher rapidamente e rachar.

O Congresso rapidamente nomeou uma comissão para investigar os danos e reconstruir a Casa Branca. Os investigadores descobriram que quase tudo lá dentro havia sido destruído, exceto algumas panelas e frigideiras nas cozinhas do porão, mas seu relatório ocultou a extensão dos danos para iniciar o processo de reconstrução imediatamente.

Algumas autoridades queriam mudar a capital para uma cidade mais desenvolvida - como Filadélfia, Nova York ou Charleston - porque as opções de hospedagem, alimentação e entretenimento ainda eram bastante limitadas em DC. Além disso, representantes de estados distantes de DC, como New Hampshire ou Geórgia, queriam encurtar o tempo de viagem. Eles viram a destruição da Casa Branca como uma oportunidade para mover a capital. Ansiosos por manter um vínculo histórico com os presidentes anteriores, os presidentes James Madison e James Monroe correram para reconstruir a Casa Branca exatamente como antes. Eles até contrataram o mesmo arquiteto, James Hoban, para completar a reforma.

Cada presidente tem um retrato pendurado na Casa Branca

Os locais dos retratos seguem um padrão aproximado, em sua maioria organizados em ordem cronológica, com algumas exceções. Os retratos dos presidentes mais recentes estão no hall de entrada do Andar Estadual e se estendem cronologicamente escada acima até a residência.

Outros estão espalhados: George Washington e Theodore Roosevelt estão na Sala Leste, Abraham Lincoln está na Sala de Jantar de Estado e William Howard Taft está na Sala Azul porque é onde seu retrato foi pintado. Os presidentes Millard Fillmore e Chester A Arthur estão pendurados na ala leste, onde os hóspedes entram, porque as pinturas são tão grandes que não cabem em nenhuma outra parede. A maioria dos retratos na Sala Azul são de presidentes da Virgínia ... e John Adams, o que eu suspeito que o irritaria.

Mas o retrato do presidente Lyndon B Johnson tem a localização mais interessante. Cada presidente tem uma grande influência sobre como sua imagem é capturada e, como uma figura maior do que a vida, seria de se esperar que o retrato de Johnson fosse igualmente grandioso. Em vez disso, é um dos menores. Ele não deixou uma explicação para o motivo de ter solicitado um retrato tão modesto, mas sua localização final oferece uma pista possível: o retrato de Johnson está pendurado no canto do Hall de Entrada, próximo à porta do State Dining Room. Poucos outros retratos caberiam neste espaço, então, talvez, ao selecionar um retrato diminuto, Johnson estava garantindo que ele sempre manteria um lugar de destaque no Andar Estadual.

É uma batalha contínua para manter as paredes da Casa Branca brancas

Manter a Casa Branca branca não é tarefa fácil! A lavagem branca à base de cal foi originalmente aplicada logo após a construção do edifício para proteger os arenitos porosos. Pela administração do presidente Jimmy Carter (1977-81), a tinta era tão espessa que os visitantes não podiam ver os detalhes esculpidos acima das janelas e portas, ou qualquer uma das belas molduras. A Casa Branca passou por uma renovação externa significativa para remover as muitas camadas de tinta, que levou 20 anos e não foi concluída até a administração do presidente William ‘Bill’ Clinton. Quando concluído, mais de 45 camadas de tinta foram removidas das paredes externas.

Muitos animais viveram na Casa Branca

A maioria das pessoas está familiarizada com os cães que viveram na Casa Branca - como Bo e Sunny Obama, ou os terriers escoceses do presidente George W Bush e da primeira-dama Laura Bush, Barney e Miss Beazley. Mas houve um zoológico de animais que chamam o terreno de lar. O presidente Woodrow Wilson deu as boas-vindas a um rebanho de ovelhas em South Lawn e eles doaram sua lã para a Cruz Vermelha para criar uniformes para os soldados durante a Primeira Guerra Mundial. Um carneiro particularmente aventureiro chamado Hi causou alguns problemas quando invadiu repetidamente o Salão Oval.

A filha de John F. Kennedy, Caroline, tinha um pônei de estimação chamado Macaroni A primeira-dama Grace Coolidge tinha um guaxinim chamado Rebecca e o presidente William H Taft tinha uma vaca, Pauline Wayne, que vagava em frente ao Antigo Prédio do Escritório Executivo. Talvez o melhor de tudo, Alice Roosevelt (filha de Theodore Roosevelt) tinha uma cobra liga chamada Emily Spinach que ela carregava em sua bolsa e puxava para conversar em festas.

O complexo da Casa Branca é enganosamente grande

Embora o prédio pareça estar a dois andares da rua, na verdade há seis andares. Há três andares acima do solo (o State Floor e dois andares para a residência) e três andares abaixo do solo. Embora grande parte do Andar do Estado e do layout das residências tenham permanecido os mesmos desde sua construção, muitas outras áreas da Casa Branca mudaram drasticamente. Quando você entrar na Casa Branca hoje, provavelmente entrará no andar térreo ou no primeiro andar do porão. Até 1901, este andar era principalmente um espaço de trabalho. Em vez da Sala China, da Sala Vermeil, da Biblioteca e da Sala de Recepção Diplomática, haveria uma cozinha, uma lavanderia, um depósito para alimentos e louças e espaços de dormir para os escravos ou servos livres. O porão era notoriamente úmido e freqüentemente infestado de vermes e roedores.

Existem outros espaços que também se perderam na história. A Casa Branca tinha uma série de estábulos para abrigar os cavalos, carruagens, cocheiros e cavalariços do presidente. O estábulo final e mais elaborado foi convertido em garagem em 1909. O sótão também passou por muitas reformas. Em seus primeiros anos, era usado para armazenamento, dormitórios para servos livres ou escravos e um esconderijo para os filhos dos presidentes. Em 1913, a primeira-dama Ellen Wilson acrescentou quartos e um estúdio de pintura para seu uso particular. Durante a administração de Coolidge, os engenheiros descobriram problemas com a estrutura do telhado. Eles instalaram uma marquise (agora o solário), quartos maiores para hóspedes e serviços, e um novo telhado de aço e concreto.

O terreno da Casa Branca já foi aberto a qualquer pessoa

Quando o presidente John Adams se mudou para a Casa Branca em 1º de novembro de 1800, não havia cerca ou portão e o terreno estava aberto para pedestres. O presidente Thomas Jefferson acrescentou uma cerca que cercava o terreno, mas ela permaneceu aberta para uso comum. Em 1873, o presidente Ulysses S Grant começou a fechar o terreno ao pôr do sol para segurança adicional e, em 1893, o presidente Grover Cleveland fechou o South Grounds, normalmente o primeiro jardim da família, depois que estranhos tentaram tirar uma foto de sua filha, Esther. Os Terrenos Norte e Sul foram fechados permanentemente durante a presidência de Calvin Coolidge por recomendação do Serviço Secreto dos Estados Unidos.

O gabinete do presidente nem sempre teve uma casa na Casa Branca

Cada presidente consultou um gabinete desde que o presidente George Washington convocou a primeira reunião de gabinete em 26 de novembro de 1791. Enquanto o presidente John Adams foi o primeiro a morar na Casa Branca, o presidente Thomas Jefferson foi o primeiro a se reunir com seu gabinete na Casa Branca e reuniu os secretários do departamento em seu escritório particular no primeiro andar (agora o State Dining Room).

Na época da Guerra Civil, o escritório do presidente havia se mudado para o segundo andar e Abraham Lincoln se reuniu com os secretários em seu escritório no canto sudeste do segundo andar (agora o Quarto Lincoln). Theodore Roosevelt construiu a ala oeste para fornecer mais espaço de trabalho para sua equipe e para dar mais espaço para sua grande família no segundo andar do edifício original. Em 1909, o presidente Taft expandiu a ala oeste, acrescentou o Salão Oval e uma sala oficial do gabinete. O Salão Oval foi transferido para seu local atual durante a presidência do presidente Franklin D Roosevelt. Desde então, a maioria dos gabinetes usou a sala do Gabinete para reuniões oficiais do gabinete e decidiu se reunir com secretários de departamentos individuais no Salão Oval.

Lindsay M Chervinsky, PhD, é historiadora da Casa Branca na White House Historical Association, uma organização sem fins lucrativos dedicada a preservar e compartilhar a história da Casa Branca. Ela recebeu o título de PhD em Early American History pela University of California, Davis, e seu livro, O Gabinete: George Washington e a Criação de uma Instituição Americana, será publicado pela Harvard University Press em abril de 2020.


Lady Bird Johnson, primeira-dama experiente

Robert Knudsen, Gabinete de Imprensa da Casa Branca (WHPO) / Wikimedia Commons / Domínio Público

Claudia Alta "Lady Bird" Taylor era muito inteligente e bem-sucedida. Ela obteve dois diplomas de bacharelado pela Universidade do Texas em 1933 e 1934, sucessivamente. Ela tinha uma excelente cabeça para os negócios e possuía uma estação de rádio e televisão em Austin, Texas. Ela escolheu embelezar a América como seu projeto de primeira-dama.


10 fatos sobre Lyndon B. Johnson

Nascido em uma casa de fazenda e destinado à Casa Branca, Lyndon Baines Johnson prestou juramento de posse no Força Aérea Um poucas horas após o assassinato do presidente John F. Kennedy em Dallas, em 22 de novembro de 1963.

Sua presidência foi marcada por sucessos no movimento pelos direitos civis, a guerra contra a pobreza, as leis de proteção ambiental e do consumidor, o controle de armas e a criação do Medicaid e do Medicare. Mas também foi prejudicado por uma guerra herdada do Vietnã, que ele expandiu. Sua profunda impopularidade, transposta para o próprio Johnson, o levou a se recusar a se candidatar à reeleição em 1968, encerrando uma extensa e monumental carreira política.

1. ELE COMEÇOU COMO PROFESSOR.

Para pagar por seu tempo no Southwest Texas State Teachers College (que agora é a Texas State University), Johnson lecionou por nove meses em uma escola segregada para crianças mexicanas-americanas ao sul de San Antonio. A experiência, assim como o tempo que passou lecionando em Pearsall, Texas, e em Houston, moldaram sua visão de como o governo deveria ajudar a educar a juventude do país. Depois de assinar a Lei do Ensino Superior de 1965, que usou fundos federais para ajudar faculdades a estenderem ajuda financeira a estudantes pobres, ele comentou sobre seu tempo como professor na Escola Mexicana de Welhausen, dizendo: “Foi então que decidi que esta nação nunca poderia descansar enquanto a porta para o conhecimento permanecesse fechada para qualquer americano. ”

2. ELE TAMBÉM ERA UM JANITOR.

Johnson não apenas compartilhava da infeliz tradição entre os professores de usar seu próprio contracheque para pagar o material escolar, mas também exercia várias funções durante seu mandato como educador. Ele ensinou quinto, sexto e sétimo ano, gerenciou uma equipe de cinco professores, supervisionou o playground, treinou um time de beisebol masculino e o time de debate, e esfregou o chão como zelador da escola.

3. ELE TINHA UM INÍCIO PRINCIPAL NA POLÍTICA.

Keystone / Getty Images

O pai de Johnson, Samuel Ealy Johnson Jr., foi membro da Câmara dos Representantes do Estado do Texas por nove anos não consecutivos. Sua orientação e conexões ajudaram Johnson a entrar na política e, aos 23 anos, apenas um ano depois da faculdade, Johnson foi nomeado pelo Representante dos Estados Unidos Richard M. Kleberg como seu secretário legislativo por conselho do pai de Johnson e de outro senador estadual que Johnson tinha fez campanha para.

Johnson se tornou um líder dos assessores do Congresso, um defensor dedicado de Franklin D. Roosevelt (que se tornou presidente um ano depois que Johnson começou a trabalhar na Câmara) e o chefe da seção do Texas da Administração Nacional da Juventude - uma agência do New Deal significou para ajudar jovens americanos a encontrar trabalho e educação.

4. ELE RECEBEU UMA ESTRELA DE PRATA DURANTE A Segunda Guerra Mundial.

Johnson ganhou a eleição para a Câmara dos Representantes dos Estados Unidos em 1937, representando um distrito que abrangia Austin e a região montanhosa circundante. Ele serviria lá por 12 anos, mas ele também serviria como Tenente Comandante na Reserva Naval no meio de seu mandato como representante. Ele foi chamado para o serviço ativo três dias depois de Pearl Harbor, posteriormente relatado ao General Douglas MacArthur na Austrália, e em 9 de junho de 1942, ofereceu-se como observador a bordo para uma missão de ataque aéreo na costa sul da Nova Guiné que teve consequências fatais.

Possivelmente por causa de fogo pesado ou falha mecânica, o bombardeiro B-26 Johnson estava de volta à base, enquanto outro (que carregava o colega de quarto de Johnson na época) foi abatido sem sobreviventes. MacArthur concedeu a Johnson uma Estrela de Prata por seu envolvimento, embora alguns vejam isso como uma troca política para Johnson fazendo lobby com o presidente Roosevelt por mais recursos no Pacífico.

5. SUA ENTRADA NO SENADO FOI UM “LANDSLIDE.”

Johnson viajou pelo Texas em um helicóptero para uma corrida primária para o Senado em 1948 que o colocou contra o ex-governador Coke Stevenson e o representante estadual George Peddy. Stevenson liderou o primeiro turno de votação, mas, sem maioria, um segundo turno foi convocado. Johnson venceu (e a nomeação) por apenas 87 votos de 988.295 (0,008 por cento) em meio a acusações de fraude eleitoral. O biógrafo Robert Caro observou que o gerente de campanha de Johnson (e futuro governador) John B. Connally estava conectado com mais de 200 cédulas suspeitas de eleitores que alegaram não ter votado, com o juiz eleitoral Luis Salas alegando quase 30 anos depois que ele certificou 202 cédulas falsas para Johnson. Stevenson desafiou a vitória de Johnson no tribunal, mas perdeu, e Johnson derrotou o republicano Jack Porter na eleição geral. As acusações de fraude e a margem apertada de sua vitória nas primárias valeram-lhe o apelido irônico [PDF] de “Landslide Lyndon”.

6. ELE QUASE MORREU AO SERVIR NO SENADO.

Keystone / Hulton Archive / Getty Images

Um chefe exigente, workaholic e fumante inveterado, Johnson teve um ataque cardíaco no verão de 1955, durante sua época como líder da maioria no Senado. Poucos dias depois do susto de saúde, ele mandou trazer telefones e mimeógrafos para seu quarto de hospital para que pudesse retomar um dia de trabalho intensamente longo. Ele parou de fumar, mas mais tarde descreveria seu ataque cardíaco como "o pior que um homem poderia ter e ainda viver".

7. ELE ERA UM DOS QUATRO PESSOAS PARA MANTER QUATRO ESCRITÓRIOS DISTINTOS.

Entre as curiosidades mais triviais (certifique-se de memorizá-la para a noite do quiz no pub) está a rara e estranha distinção de Johnson da combinação de cargos ocupados. Seguindo John Tyler e Andrew Johnson, e seguido por Richard Nixon, Johnson é uma das apenas quatro pessoas que foram um representante dos Estados Unidos, o líder da maioria no Senado, o vice-presidente e o presidente dos Estados Unidos. Aos 44 anos, Johnson também se tornou a pessoa mais jovem a servir como líder da minoria no Senado. Nunca diga que não ajudamos você a ganhar curiosidades do bar.

8. ELE VOTOU CONTRA TODOS OS PROJETOS DE DIREITOS CIVIS EM SEUS PRIMEIROS 20 ANOS COMO LEGISLADOR.

O legado de Johnson está diretamente vinculado à Lei dos Direitos Civis de 1964, mas ele era um recipiente imperfeito para a mudança. Como deputado e senador, ele votou contra todas as propostas de direitos civis apresentadas a ele, alinhando-se com o sul pós-Reconstrução, chamando o programa de direitos civis do presidente Truman de "uma farsa e uma farsa - um esforço para estabelecer um estado policial no disfarce de liberdade. ” Johnson mudou seu tom como senador em 1957 e coagiu estritamente o Congresso a aprovar a Lei dos Direitos Civis de 1964, a mais ampla expansão dos direitos civis desde a Reconstrução, como presidente.

9. O ESTILO DE COERÇÃO DE JOHNSON FOI CHAMADO "O TRATAMENTO".

Keystone / Getty Images

Com 6 pés e 4 polegadas, Johnson elevou-se sobre a maioria dos colegas, e ele usou essa fisicalidade em seu benefício. Quando precisava extrair um favor de alguém, ele simplesmente ficava de pé sobre eles com o rosto a centímetros do deles e dizia exatamente o que precisava, em um movimento apelidado de "O Tratamento Johnson". Além de dar corpo a seus oponentes e amigos, Johnson também prometeu ajudá-los, lembrá-los das vezes em que os ajudou, persuadir, lisonjear, incitar e prever a desgraça e a tristeza para aqueles que não estavam do seu lado.

10. SUA REELEÇÃO FOI UM VERDADEIRO LANDESLIDE.

Após a derrocada de 87 votos que o lançou no Senado, Johnson experimentou um fenômeno eleitoral genuíno digno de alguém apelidado de “Landslide”. Na campanha de 1964, Johnson enfrentou não apenas o republicano Barry Goldwater, mas também uma popularidade questionável. Ele nunca foi eleito presidente por seus próprios méritos, e sua liderança na Lei dos Direitos Civis fez com que apoiadores do sul questionassem sua lealdade. Para neutralizar o último desenvolvimento, Johnson implantou sua maior aliada política, sua esposa Claudia “Lady Bird” Johnson, para viajar pelo sul em um trem, distribuindo sua receita de torta de nozes ao lado de botões de campanha. Após a contagem final, Johnson manteve o Texas e metade do sul, ganhando 44 estados e 61,05 por cento dos votos expressos - a maior parcela de votos populares de todos os tempos.


10 coisas que você pode não saber sobre a produção de "Selma"

Em seu primeiro grande filme de estúdio, Ava DuVernary rompeu com uma obra-prima intransigente, Selma. Lançado como presente de Natal em 25 de dezembro de 2014, Selma é um drama histórico baseado nos eventos que levaram às marchas pelo direito de voto de Selma a Montgomery em 1965. Essas marchas foram fundamentais para a aprovação da Lei dos Direitos de Voto de 1965.

Com um olho apurado para os detalhes, um profundo senso de história e uma perspectiva progressiva, DuVernay pinta vividamente o quadro de Selma não como um show individual para as façanhas do Dr. Martin Luther King Jr., mas uma coleção de heróis anônimos, lindas irmãs negras e irmãos que colocam suas vidas em risco pela liberdade.

Trazendo Selma para a vida estava um elenco incrível, com atuações fascinantes. David Oyelowo estrela como Dr. Martin Luther King Jr., Carmen Ejogo como Coretta Scott King, Andre Holland como Andrew Young, Tessa Thompson como Diane Nash, Stephen James como John Lewis, Common como James Bevel, Lakeith Standfield como Jimmie Lee Jackson, Tom Wilkinson como Presidente Lyndon B. Johnson e Oprah Winfrey como Annie Lee Cooper.

O filme foi um sucesso, arrecadando mais de $ 40 milhões de dólares de bilheteria e rendeu Selma quatro indicações ao Globo de Ouro, incluindo Melhor Filme - Drama.

Embora também tenha sido indicado para Melhor Filme pela Academy of Motion Pictures, sua música tema, “Glory” levou para casa o cobiçado Oscar de Melhor Canção Original.

Enquanto comemoramos o Dia da MLK, aqui estão as 10 coisas que você talvez não soubesse sobre a formação de Selma.

A ideia de criar um filme sobre Selma circulava por Hollywood desde meados dos anos 2000. Embora a possibilidade de um filme de Selma acumulasse poeira, cinco diretores diferentes foram considerados para dirigir o filme antes de Ava ser escolhida. Lee Daniels foi definido para dirigir, mas desistiu de dirigir O mordomo. David Oyelowo continuou fazendo lobby para que Duvernay liderasse o projeto, embora ela nunca tivesse dirigido um filme para um grande estúdio.

“Ele convenceu os produtores a me testar depois que muitos diretores deixaram o projeto”, escreveu ela no Twitter. “Eu escrevi um roteiro para o orçamento que eles tinham, que deu luz verde. E começamos. ”

Com filmes independentes como os de 2010 Eu vou seguir (com um orçamento de $ 50.000 de economias pessoais), 2012 Meio do nada (que custou $ 200.000 e estrelou David Oyelowo), e um episódio de & quotScandal & quot em seu currículo, DuVernay se inscreveu para dirigir Selma com um orçamento de US $ 20 milhões para seu primeiro filme com um grande estúdio.


Constitution Daily

27 de agosto de 2020 pela equipe da NCC

Por ocasião do aniversário do presidente Lyndon Johnson & rsquos, o National Constitution Center examina 10 fatos interessantes sobre uma das figuras mais pitorescas e controversas da história americana.

Mesmo se Johnson não tivesse se tornado presidente após o assassinato de John F. Kennedy & rsquos em novembro de 1963, sua carreira no Congresso ainda o teria tornado uma figura histórica notável.

O mandato da Johnson & rsquos ocorreu durante um período de grande mudança social na sociedade americana, marcado pela revolução dos direitos civis e a Guerra do Vietnã.

Johnson&rsquos legacy among historians and the public has also evolved since his death in 1973. Indeed, along with Richard Nixon, who followed him as President, Johnson is seen as a complex figure involved in many significant initiatives and events that have marked modern American history.

So how did someone born into poverty in Texas and who started out as a school teacher become one of the pivotal figures of the twentieth century?

Here are 10 fascinating milestones from Johnson&rsquos life and career:

1. Johnson was indeed from humble origins. He was born on August 27, 1908, in Stonewall, Texas. The Johnson family had been in the area for generations, but Johnson&rsquos father had financial problems, and the future President grew up under difficult circumstances. As Senator and President, Johnson had a chance to translate his sympathy for the less fortunate into real social policy laws.

2. Johnson&rsquos first career was as a teacher. As a student at Southwest Texas State Teachers College, Johnson was assigned to a tiny Hispanic school in a deeply impoverished area on the Mexican border. Johnson left his brief career as a teacher after four years to pursue politics during the Great Depression.

3. Johnson&rsquos political ambitions were clear early in his career. His father had served in the Texas state legislature, and Johnson became a congressional aide in 1931. In 1937, he won a special election to the U.S. House to replace a deceased Texas House member named James Buchanan

4. Johnson was the &ldquosurrogate son&rdquo of powerful House Speaker Sam Rayburn. The legendary Rayburn had served in the Texas legislature with Johnson&rsquos father, and Rayburn backed Johnson&rsquos fast rise as a leader within Congress.

5. Johnson was nearly killed in World War II. Johnson entered the Naval Reserves while still a Congressman, and on his only bombing run, he boarded a plane called the Wabash Cannonball for a mission in the South Pacific. A last-second trip off the plane to use a bathroom saved Johnson&rsquos life. On his return from the facilities, Johnson boarded another plane that survived the mission. The Wabash Cannonball crashed, with a total loss of life.

6. The Landslide Lyndon incident. Johnson won election to the U.S. Senate in 1948 after winning a Democratic primary by only 87 votes. Allegations of voter fraud are debated to this day.

7. Johnson quickly became the Senate&rsquos leader. In 1953, he was named Senate minority leader after opposing Republicans gained control of the Senate. Two years later, Johnson became Majority Leader when Democrats regained power.

8. The energetic Johnson reshaped the role of Senate Majority leader. Despite having a heart attack in 1955, Johnson worked tirelessly to promote himself and his agendas, including civil rights legislation and the American space program. His ability to persuade politicians of both parties was legendary.

9. Why did Johnson decide to become Vice President? After losing a bitter campaign against Kennedy in the 1960 Democratic primary, the Kennedys shocked observers by choosing Johnson as Kennedy&rsquos running mate. One theory is that Johnson saw the position of Vice President as expanding his power base in the Senate. But after the 1960 election, Johnson was rebuffed when he tried to chair the Democratic conference in the Senate his fellow Democrats saw the move as a violation of the separation of powers between the executive and legislative branches.

10. The Johnson presidency was incredibly active. In addition to pursuing the Vietnam War, President Johnson pressed on with an expansive slate of programs labeled as the &ldquoGreat Society&rdquo that included three landmark civil rights bills and Medicare. But Vietnam&rsquos impact damaged Johnson&rsquos political base severely, and he declined to run in the 1968 presidential election.

Podcast: The Latest Big Decisions from the Supreme Court

Supreme Court correspondents Jess Bravin and Marcia Coyle join host Jeffrey Rosen to recap recent key decisions from the 2020-21 term.


#5 His tax cut bill led to economic growth and reduced unemployment

In 1963, President Kennedy had proposed a significant tax reduction bill but he struggled to get it passed in the House of Representatives against strong conservative resistance. After Kennedy’s assassination, Johnson made passage of the tax cut bill a top priority. He worked closely with influential Senator Harry F. Byrd of Virginia to negotiate a reduction in the budget below $100 billion in exchange for Byrd dropping his opposition. The bill was passed leading to the Revenue Act of 1964, signed into law by Johnson on February 26, 1964. The Act cut income tax rates by approximately 20% reduced corporate tax rates and introduced a minimum standard deduction. The Tax Reduction Act achieved its goals of increasing personal incomes, consumption and capital investments. Unemployment fell from 5.2% in 1964 para 4.5% in 1965 and fell to 3.8% in 1966. Inflation-adjusted G.D.P. aumentou 5.8% in 1964 após um 4.4% rise in 1963. Growth improved to 6.5% in 1965 e 6.6% in 1966. These were the three best back-to-back years for economic growth in the postwar era and economists generally credit the tax cut for much of it.


10 Things You May Not Have Known About The Making Of ‘Selma’

In her first major studio film, Ava DuVernary broke through with an uncompromising masterpiece, Selma. Released as a Christmas gift on December 25, 2014, Selma is a historical drama based on the events that led to the 1965 Selma to Montgomery voting rights marches. Those marches were instrumental in the passage Voting Rights Act of 1965.

With a keen eye for detail, a deep sense of history, and a progressive perspective, DuVernay vividly paints the picture of Selma not as a one-man-show for the exploits of Dr. Martin Luther King Jr. but a collection of unsung heroes, beautiful, Black sisters, and brothers who put their lives on the line for freedom.

Bringing Selma to life was an amazing cast who all gave riveting performances. David Oyelowo stars as Dr. Martin Luther King Jr., Carmen Ejogo as Coretta Scott King, Andre Holland as Andrew Young, Tessa Thompson as Diane Nash, Stephen James as John Lewis, Common as James Bevel, Lakeith Standfield as Jimmie Lee Jackson, Tom Wilkinson as President Lyndon B. Johnson, and Oprah Winfrey as Annie Lee Cooper.

The film was a hit, grossing over $40 million dollars at the box office and earned Selma four Golden Globe Award nominations, including Best Motion Picture – Drama.

While it was also nominated for Best Picture by the Academy of Motion Pictures, its theme song, “Glory” took home the coveted Oscar for Best Original Song.

As we celebrate MLK Day, here are the 10 Things You Might Not Have Known About the Making of Selma.

The idea of creating a film about Selma had been floating around Hollywood since the mid-2000s. While the possibility of a Selma movie collected dust, five different directors were considered to direct the film before Ava was chosen. Lee Daniels was set to direct, but pulled out to direct The Butler. David Oyelowo kept lobbying for Duvernay to lead the project even though she had never directed a film with a major studio.

“He convinced the producers to try me after many directors had left the project,” she wrote on Twitter. “I wrote a script for the budget they had, which got it greenlit. And we began.”

With indie films such as 2010’s I Will Follow (with a budget of $50,000 from personal savings), 2012’s Middle of Nowhere (which cost $200,000 and starred David Oyelowo), and an episode of "Scandal" on her resume, DuVernay signed up to direct Selma with a $20 million budget for her first film with a major studio.


The Johnson Treatment: Pushing And Persuading Like LBJ

For many Americans, the presidency of Lyndon Johnson is a distant memory marked by tragedy—the assassinations of John F. Kennedy and Bobby Kennedy, the Vietnam War, the assassination of Martin Luther King, Jr. and social turmoil. But it was also one of history’s most legislatively active presidencies. President Johnson was essential to the passage of the Civil Rights Act, Medicare, the Voting Rights Act and even the Public Broadcasting Act. Whether one views all this legislation as positive or not, its very volume and scale highlight the influence of a man who rose from the poverty of West Texas to become a Congressman, the youngest Senate majority leader in history and ultimately, president.

Como ele fez isso? There is a wonderful photo of Lyndon Johnson and Supreme Court Justice Abe Fortas. Johnson is towering over Fortas, smiling and invading his space as the jurist uncomfortably leans back and clinches his arms to his chest. That photo has become emblematic of what became known as the Johnson Treatment—Lyndon Johnson’s persuasive tactics described by Mary McGrory as “an incredible, potent mixture of persuasion, badgering, flattery, threats, reminders of past favors and future advantages.” As a participant in the Presidential Leadership Scholars (PLS), a leadership development program sponsored by four presidential libraries or centers, I had the opportunity to spend a weekend learning about the Johnson presidency at the LBJ Ranch and the LBJ Library. And I learned a great deal more about the 36th president’s approach to persuasion. It’s not for everyone—leadership styles are different—but it often worked for LBJ and is worth understanding today.

So how did LBJ persuade? First, he’d establish a vision and a purpose. In Mark Updegrove’s Indomitable Will: LBJ in the Presidency, Jack Valenti recounts how, the evening of Kennedy’s assassination in Dallas, Johnson sat at home with his team and spent five hours mapping what would become the Great Society agenda. “He knew with stunning precision the mountaintop to which he was going to summon people,” Valenti recalled. That vision for his presidency became the purpose and focal point of his persuasion. Often in seeking to persuade people we lose sight of the end goal—where we’re headed with our persuasion. But Johnson knew that vision and purpose are foundational to persuasion.

With a vision in mind, Johnson would master the details. In Johnson’s case this applied both to the facts of the case and the process needed to drive change. During the PLS program in Austin, Bill Moyers noted that Johnson regularly told his team, “Your judgment is only as good as your facts.” And former Johnson aide Tom Johnson (no relation to the president) noted, “It’s impossible to overstate his consumption of information.” He’d immerse himself in the facts of a situation—reading hundreds of pages on a topic and speaking to everyone he could about it—so that he could make the most persuasive case possible. Then he’d obsess over the process of making the change. He knew the rules of government, the personalities and motivations of public officials, and the flow of the legislative process better than anyone. This mastery of detail was a hallmark of Johnson’s effectiveness.

He also knew to identify and mobilize the right people. Making the right arguments isn’t enough to persuade. You have to rally those who can effectively influence a decision. Johnson did this consistently, particularly in the run-up to passage of the Civil Rights Act of 1964. He called the Washington Post’s Katharine Graham, and pushed her to publish reportage and editorials advocating for a vote on the act. Knowing the influence of the United Steelworkers, he persuaded Dave McDonald, their president, to have his team lobby for the act, even having Dr. Martin Luther King, Jr. join this call with him in 1963. Realizing he needed Republicans, he partnered closely with Senate minority leader Everett Dirksen, appealing to him to honor the heritage of his home state of Illinois as the “land of Lincoln.” And he worked closely with Dr. King and other civil rights leaders. Johnson knew that persuasion takes the work of multiple constituencies and always thought carefully of whose influence to employ.

Perhaps the most defining element of President Johnson’s persuasion was the Johnson Treatment itself—he was willing to push people. For better or worse, he would harangue, threaten, flatter and bully. This was evident in Johnson’s dealings with his mentor, longtime Georgia Senator Dick Russell. In establishing the Warren Commission—which was responsible for investigating the Kennedy assassination—Johnson knew Russell didn’t want to serve, but announced Russell’s involvement before asking him then bullied him into it in a phone call. As recorded in Indomitable Will, he then pushed past Russell—a dedicated segregationist—to get Civil Rights Act passed, telling him, “Dick, I love you and I owe you. Mas. I’m going to run over you if you challenge me on this civil-rights bill.” He did just that—leading to Russell boycotting the Democratic convention in 1964. Similarly, after Bloody Sunday in Selma, Johnson summoned George Wallace to a meeting at the White House [DOC] in which he physically loomed over the man and badgered him for hours on subjects from voting rights to protecting demonstrators. He made people uneasy. He invaded their space. And he kept after them. This kind of persistence is uncomfortable for most of us but essential for LBJ.

Finally, he would make it personal. As recorded in Indomitable Will, Leon Jaworski wrote of Johnson, “This man makes the most persuasive talk to a small group of anyone I have ever known.” And at the LBJ Library in Austin, Tom Johnson, highlighted his interpersonal persuasiveness noting, “[H]is ability to talk one-on-one. It was miraculous to see what he could achieve in that context.” He loved the telephone—as evidenced by the remarkable archive of his telephone conversations—and at his “Texas White House” ranch outside of Austin, he had 72 phone lines installed for use. Johnson also took to understand each person he was dealing with—their pressures, values, personality traits and motivations—so that his message and technique were tailored to them. In the digital age, Johnson’s person-to-person approach may be even more powerful because it is so rare.

President Johnson’s legacy isn’t perfect. Whether in foreign or domestic policy, many of his actions were and remain controversial. His personality could be grating, crude and difficult. But he got things done. And while his style of persuasion may not be suited to every person or circumstance, it’s worth understanding.


Know why third Sunday of June is designated as Father's Day in most countries

In 1966, former US president Lyndon B Johnson announced the third Sunday of June as Father's Day. Almost 62 years later, it was declared as a national holiday in the US in 1972 after being officially recognized by Richard Nixon's administration

Father's Day, the celebration of the paternal bond, is observed on the third Sunday of June. This year the date is 20 June, 2021.

The aim of the day to express appreciation and acknowledge the role of the father figure in children's lives, and society as a whole. UNICEF, too, had harped on the critical role the fathers play in early childhood learning.

The celebration of this lovely, warm paternal bond is quite popular all over the world, though the dates of observance might differ in some countries.

India follows the American date which is the third Sunday of June.

Why Father's Day is celebrated on the third Sunday of June:

Father's Day originated in the United States. It was on 19 June, 1910, the first Father's Day celebration took place.

Sonora Dodd, the daughter of American Civil War veteran William Jackson Smart had requested the Spokane Ministerial Alliance observe 5 June which was her father's birthday, to honor fatherhood. Her father had raised six children, as a single parent. Her deep sense of gratitude, love propelled her to make this request.

She was also inspired by Anna Jarvis' endeavor to bring about Mother's Day, and proposed the Father's Day idea.

Finally, the Church agreed upon the third Sunday of June to commemorate. Following which, much later in 1966, President Lyndon B Johnson announced the third Sunday of June as Father's Day as he signed a presidential proclamation.

Almost 62 years later from 1910, Father's Day was declared as a national holiday by Richard Nixon who was the then President of the US (1972).

There is also information that states Father's Day was observed on 5 July, 1908, in West Virginia after a mining accident in Monongah, USA, to honour the fathers who lost their lives in the disaster.

Speaking of Father's Day history, it would be interesting to note the dates followed by other countries.

Catholic European countries like Portugal, Spain, Croatia, Italy celebrate Father's Day on 19 March which is St Joseph's Day.

Norway, Sweden and Finland observe the second Sunday in November. For Australia, New Zealand, Fiji, Papua New Guinea, it's the first Sunday of September. Russia celebrates the day on 23 February.


Inspirational Lyndon B. Johnson Quotes

“A man can take a little bourbon without getting drunk, but if you hold his mouth open and pour in a quart, he’s going to get sick on it.” -Lyndon B. Johnson

“A man without a vote is man without protection.” – Lyndon B. Johnson

“A President’s hardest task is not to do what is right, but to know what is right.” -Lyndon B. Johnson

Lyndon B. Johnson Quotes On politics

“Being president is like being a jackass in a hailstorm. There’s nothing to do but to stand there and take it.” -Lyndon B. Johnson

“Doing what’s right isn’t the problem. It is knowing what’s right.” -Lyndon B. Johnson

“Education is not a problem. Education is an opportunity.” -Lyndon B. Johnson

“Every man has a right to a Saturday night bath.” -Lyndon B. Johnson

“Every President wants to do right.” -Lyndon B. Johnson

Lyndon B. Johnson Quotes On Freedom

“Freedom is not enough.” -Lyndon B. Johnson

“Greater love hath no man than to attend the Episcopal Church with his wife.” -Lyndon B. Johnson

“I am a freeman, an American, a United States Senator, and a Democrat, in that order.” -Lyndon B. Johnson

Lyndon B. Johnson Quotes On Society

“I am concerned about the whole man. I am concerned about what the people, using their government as an instrument and a tool, can do toward building the whole man, which will mean a better society and a better world.” -Lyndon B. Johnson

“I am making a collection of the things my opponents have found me to be and, when this election is over, I am going to open a museum and put them on display.” -Lyndon B. Johnson

Lyndon B. Johnson Quotes On Excellence

“I believe the destiny of your generation – and your nation – is a rendezvous with excellence.” -Lyndon B. Johnson

“I believe we can continue the Great Society while we fight in Vietnam.” -Lyndon B. Johnson

“I don’t believe I’ll ever get credit for anything I do in foreign affairs, no matter how successful it is, because I didn’t go to Harvard.” -Lyndon B. Johnson

“I feel like I just grabbed a big juicy worm with a right sharp hook in the middle of it.” -Lyndon B. Johnson

“I have learned that only two things are necessary to keep one’s wife happy. First, let her think she’s having her own way. And second, let her have it.” -Lyndon B. Johnson

“I once told Nixon that the Presidency is like being a jackass caught in a hail storm. You’ve got to just stand there and take it.” -Lyndon B. Johnson

Lyndon B. Johnson Quotes On Strength

“I report to you that our country is challenged at home and abroad: that it is our will that is being tried and not our strength our sense of purpose and not our ability to achieve a better America.” -Lyndon B. Johnson

“I seldom think of politics more than eighteen hours a day.” -Lyndon B. Johnson

“I want to make a policy statement. I am unabashedly in favor of women.” -Lyndon B. Johnson

“I will do my best. Isso é tudo que posso fazer. I ask for your help – and God’s.” -Lyndon B. Johnson

“Id rather give my life than be afraid to give it.” -Lyndon B. Johnson

Lyndon B. Johnson Quotes On Technology

“If future generations are to remember us more with gratitude than sorrow, we must achieve more than just the miracles of technology. We must also leave them a glimpse of the world as it was created, not just as it looked when we got through with it.” -Lyndon B. Johnson

“If one morning I walked on top of the water across the Potomac River, the headline that afternoon would read: ‘President Can’t Swim.'” -Lyndon B. Johnson

Lyndon B. Johnson Quotes On Love

“If the American people don’t love me, their descendants will.” -Lyndon B. Johnson

“If two men agree on everything, you may be sure that one of them is doing the thinking.” -Lyndon B. Johnson

“I’m the only president you’ve got.” -Lyndon B. Johnson

“I’m tired. I’m tired of feeling rejected by the American people. I’m tired of waking up in the middle of the night worrying about the war.” -Lyndon B. Johnson

“In our home there was always prayer – aloud, proud and unapologetic.” -Lyndon B. Johnson

Lyndon B. Johnson Quotes On People

“It is always a strain when people are being killed. I don’t think anybody has held this job who hasn’t felt personally responsible for those being killed.” -Lyndon B. Johnson

“It is important that the United States remain a two-party system. I’m a fellow who likes small parties and the Republican Party can’t be too small to suit me.” -Lyndon B. Johnson

“It is the genius of our Constitution that under its shelter of enduring institutions and rooted principles there is ample room for the rich fertility of American political invention.” -Lyndon B. Johnson

Lyndon B. Johnson Quotes On Humanity

“It may be, it just maybe, that life as we know it with its humanity is more unique than many have thought.” -Lyndon B. Johnson

“Jack was out kissing babies while I was out passing bills. Someone had to tend the store.” -Lyndon B. Johnson

“Jerry Ford is so dumb he can’t fart and chew gum at the same time.” -Lyndon B. Johnson

“John F. Kennedy was the victim of the hate that was a part of our country. It is a disease that occupies the minds of the few but brings danger to the many.” -Lyndon B. Johnson

Lyndon B. Johnson Quotes On God

“Just like the Alamo, somebody damn well needed to go to their aid. Well, by God, I’m going to Viet Nam’s aid!” -Lyndon B. Johnson

“No member of our generation who wasn’t a Communist or a dropout in the thirties is worth a damn.” -Lyndon B. Johnson

“One lesson you better learn if you want to be in politics is that you never go out on a golf course and beat the President.” -Lyndon B. Johnson

Lyndon B. Johnson Quotes On Happy

“Only two things are necessary to keep one’s wife happy. One is to let her think she is having her own way, and the other is to let her have it.” -Lyndon B. Johnson

“Our most tragic error may have been our inability to establish a rapport and a confidence with the press and television with the communication media. I don’t think the press has understood me.” -Lyndon B. Johnson

Lyndon B. Johnson Quotes On Numbers

“Our numbers have increased in Vietnam because the aggression of others has increased in Vietnam. There is not, and there will not be, a mindless escalation.” -Lyndon B. Johnson

“Our purpose in Vietnam is to prevent the success of aggression. It is not conquest, it is not empire, it is not foreign bases, it is not domination. It is, simply put, just to prevent the forceful conquest of South Vietnam by North Vietnam.” -Lyndon B. Johnson

Lyndon B. Johnson Quotes On Freedom

“Our society is illuminated by the spiritual insights of the Hebrew prophets. America and Israel have a common love of human freedom, and they have a common faith in a democratic way of life.” -Lyndon B. Johnson

“Peace is a journey of a thousand miles and it must be taken one step at a time.” -Lyndon B. Johnson

“Poverty must not be a bar to learning and learning must offer an escape from poverty.” -Lyndon B. Johnson

Lyndon B. Johnson Quotes On Presidents

“Presidents quickly realize that while a single act might destroy the world they live in, no one single decision can make life suddenly better or can turn history around for the good.” -Lyndon B. Johnson

“We are not about to send American boys 9 or 10 thousand miles away from home to do what Asian boys ought to be doing for themselves.” -Lyndon B. Johnson

“We did not choose to be the guardians of the gate, but there is no one else.” -Lyndon B. Johnson

Lyndon B. Johnson Quotes On Education

“We have entered an age in which education is not just a luxury permitting some men an advantage over others. It has become a necessity without which a person is defenseless in this complex, industrialized society. We have truly entered the century of the educated man.” -Lyndon B. Johnson

“We have talked long enough in this country about equal rights. It is time now to write the next chapter – and to write it in the books of law.” -Lyndon B. Johnson

Lyndon B. Johnson Quotes On Opportunity

“We have the opportunity to move not only toward the rich society and the powerful society, but upward to the Great Society.” -Lyndon B. Johnson

“We live in a world that has narrowed into a neighborhood before it has broadened into a brotherhood.” -Lyndon B. Johnson

“We must open the doors of opportunity. But we must also equip our people to walk through those doors.” -Lyndon B. Johnson

Lyndon B. Johnson Quotes On Believe

“What convinces is a conviction. Believe in the argument you’re advancing. If you don’t you’re as good as dead. The other person will sense that something isn’t there, and no chain of reasoning, no matter how logical or elegant or brilliant, will win your case for you.” -Lyndon B. Johnson

“What we won when all of our people united must not be lost in suspicion and distrust and selfishness and politics. Accordingly, I shall not seek, and I will not accept, the nomination of my party for another term as president.” -Lyndon B. Johnson

Lyndon B. Johnson Quotes On Dinner

“When I was a boy we didn’t wake up with Vietnam and have Cyprus for lunch and the Congo for dinner.” -Lyndon B. Johnson

“When I was young, poverty was so common that we didn’t know it had a name.” -Lyndon B. Johnson

“When the burdens of the presidency seem unusually heavy, I always remind myself it could be worse. I could be a mayor.” -Lyndon B. Johnson

“When things haven’t gone well for you, call in a secretary or a staff man and chew him out. You will sleep better and they will appreciate the attention.” -Lyndon B. Johnson

Lyndon B. Johnson Quotes On Liberty

“Whether we are New Dealer, Old Dealer, Liberty Leaguer or Red, whether we agree or not, we still have the right to think and speak how we feel.” -Lyndon B. Johnson

“While you’re saving your face, you’re losing your ass.” -Lyndon B. Johnson

“Whoever won’t fight when the President calls him, deserves to be kicked back in his hole and kept there.” -Lyndon B. Johnson

“Yesterday is not ours to recover, but tomorrow is ours to win or lose.” -Lyndon B. Johnson

“You aren’t learning anything when you’re talking.” -Lyndon B. Johnson

Lyndon B. Johnson Quotes On Light

“You do not examine legislation in the light of the benefits it will convey if properly administered, but in the light of the wrongs it would do and the harms it would cause if improperly administered.” -Lyndon B. Johnson

“You might say that Lyndon Johnson is a cross between a Baptist preacher and a cowboy.” -Lyndon B. Johnson

“You’ve got to work things out in the cloakroom, and when you’ve got them worked out, you can debate a little before you vote.” -Lyndon B. Johnson